21:16 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    351
    Nos siga no

    Nesta segunda-feira (4), o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) se declarou responsável pela explosão ocorrida no dia anterior em Cabul, segundo relatou no Telegram uma agência de notícias do grupo.

    No domingo (3), a explosão na capital afegã vitimou vários civis perto da entrada de uma mesquita. Fontes contaram à Sputnik que o incidente deixou pelo menos 12 pessoas mortas e outras 32 feridas.

    A Federação da Rússia condenou tamanho ataque, reconhecendo a necessidade de continuar os esforços para eliminar o terrorismo do Afeganistão.

    "Condenamos as ações cometidas pelo Daesh em 3 de outubro deste ano, um ataque terrorista na entrada de uma mesquita no centro da capital afegã. Constatamos a necessidade de continuar os esforços destinados a erradicar o terrorismo no Afeganistão [...] Foram dadas garantias pela liderança do movimento Talibã [organização terrorista proibida na Rússia e em outros países], que declarou que não haveria ameaças à segurança de países terceiros a partir do território afegão", reportou Maria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

    Em 15 de agosto de 2021, o Talibã tomou controle de Cabul, seguindo-se um caótico processo de retirada de forças estrangeiras e de vários seus aliados afegãos do país.

    Desde a retirada total das forças estrangeiras do Afeganistão, em 31 de agosto, o grupo tem enfrentado o aparecimento de grupos insurgentes, especialmente do Daesh e suas ramificações.

    Mais:

    Comandante iraniano afirma que 'exércitos treinados pelos EUA' falharam em combater terrorismo
    Maduro anuncia exercícios das Forças Armadas e denuncia atividades terroristas da Colômbia no país
    Irã revela detalhes de novo radar tático de alcance intermediário Hormuz (FOTO)
    Tags:
    Talibã, Daesh, Cabul, Afeganistão, ataque, explosão, mesquita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar