21:09 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5713
    Nos siga no

    Nesta segunda-feira (4), legisladores japoneses votaram pela aprovação do ex-ministro das Relações Exteriores do país, Fumio Kishida, como o novo primeiro-ministro do país.

    O novo primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, acusou a China de tentar mudar o status quo com o uso da força "em algumas áreas".

    Por outro lado, na mesma intervenção, Kishida elogiou Pequim como maior parceiro comercial de Tóquio, convocando a continuação das negociações entre as duas potências.

    As declarações foram dadas a repórteres nesta segunda-feira (4), e o novo premiê acrescentou que o governo japonês "deve observar de perto se a China pode cumprir os altos níveis exigidos pelo TTP [Acordo de Parceria Trans-Pacífico] em questões como empresas estatais e segurança da informação". Segundo Kishida, há "algumas questões questionáveis na China" relacionadas aos direitos humanos

    Os comentários de Kishida ocorrem dias após a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, afirmar que Pequim "está disposta a trabalhar junto com a nova equipe do novo governo do Japão [...] para aprofundar a cooperação pragmática em várias áreas e promover o desenvolvimento saudável e estável das relações sino-japoneses".

    Fumio Kishida, recém-eleito premiê japonês, após votação na câmara baixa do parlamento em Tóquio, 4 de outubro de 2021
    © REUTERS / KIM KYUNG-HOON
    Fumio Kishida, recém-eleito premiê japonês, após votação na câmara baixa do parlamento em Tóquio, 4 de outubro de 2021

    Novo governo japonês

    O Partido Liberal Democrata (PLD), no poder do Japão, tinha elegido Kishida como seu novo líder, depois que o demissionário premiê Yoshihide Suga anunciou no início de setembro sua decisão de não concorrer ao cargo de chefe do LDP, o que também significou sua renúncia como chefe de governo.

    Kishida planeja dissolver a Câmara dos Representantes em 14 de outubro. De acordo com os relatos da mídia japonesa, a eleição da câmara baixa do Parlamento japonês deve ocorrer em 31 de outubro.

    Mais:

    Europa tem de aumentar esforços contra China, diz ministro do Japão
    Amostras de DNA encontradas no Japão podem rescrever história antiga do país
    Austrália, Japão e Índia podem se tornar 'carne para canhão' dos EUA, adverte mídia chinesa
    Coreia do Norte lança míssil de cruzeiro no mar do Japão antes de seu discurso na ONU
    Tags:
    Tóquio, Pequim, Japão, China, status, Fumio Kishida
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar