15:21 24 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    3824
    Nos siga no

    A aliança trilateral AUKUS, recentemente formada pelos EUA, Austrália e Reino Unido, reacendeu o debate sobre a proliferação de armas nucleares, uma vez que a Austrália deverá adquirir submarinos atômicos norte-americanos no quadro do novo acordo.

    A China, por seu lado, criticou a nova parceria trilateral ocidental, chamando-a de "extremamente irresponsável" e afirmando que poderia "comprometer seriamente a paz e a estabilidade regionais, bem como intensificar a corrida armamentista".

    A Sputnik falou com o capitão DK Sharma, antigo porta-voz da Marinha da Índia, aposentado desde agosto de 2019, sobre o impacto da aliança AUKUS.

    Impactos diretos da AUKUS na região

    Quando questionado se a AUKUS poderia aumentar as tensões no Pacífico e em outras regiões, Sharma disse não crer que tal aconteça.

    Em sua perspectiva, a "AUKUS tem um propósito: em primeiro lugar, aumentar a capacidade militar de uma nação, isto é, a Austrália. A Austrália disse que agora vai comprar armas que serão mais letais. Foi deixado claro que existe uma ameaça por parte da China".
    Militar observa o horizonte na casa do piloto enquanto o destróier  USS John S. McCain conduz operações de rotina em andamento em apoio à estabilidade e segurança para um Indo-Pacífico livre e aberto, no Estreito de Taiwan
    © AP Photo / Especialista de Comunicação em Massa de 2ª Classe Markus Castaneda
    Militar observa o horizonte na casa do piloto enquanto o destróier USS John S. McCain conduz operações de rotina em andamento em apoio à estabilidade e segurança para um Indo-Pacífico livre e aberto, no Estreito de Taiwan

    Se a China está tentando mostrar seus músculos, pressionando países menores, menos desenvolvidos ou nações menos poderosas da região, a resposta a isso é a formação de alianças militares, e a AUKUS é agora uma delas.

    A razão para a formação da AUKUS é muito clara. Os EUA e o Reino Unido vão conceder suas tecnologias, incluindo submarinos movidos a energia nuclear, à Austrália.

    Submarinos e recente reação da França

    Apesar de ainda não ser totalmente claro quais as armas a fornecer, é possível que os submarinos SSN sejam a resposta para os submarinos SSNs/SSBNs chineses que circulam pelo Indo-Pacífico. O gigante asiático tem 18 submarinos movidos a energia nuclear, 14 dos quais devem estar operacionais.

    Apesar de os líderes dos três países da AUKUS terem afirmado que a criação da aliança não visa nenhum país em concreto, esta coalizão militar poderá ter a capacidade de dar uma resposta mais firme e assertiva a Pequim na região em causa.

    Projeto do submarino Virginia SSN para a Marinha dos EUA
    Projeto do submarino Virginia SSN para a Marinha dos EUA
    Relativamente à posição da França, que se sente atraiçoada, o capitão Sharma acredita que "não se deve dar demasiada atenção às reações emocionais, porque isso é a parte comercial das relações. A França tem interesses na região do Indo-Pacífico, Pacífico Ocidental e oceano Índico [...] Naturalmente, é um percalço para Paris, mas muito temporário. As relações entre países não devem ser medidas em termos dos negócios em curso".

    A Índia tem desenvolvido um forte relacionamento com a França e a Austrália nos últimos dois anos, mas o capitão Sharma assegura que "nada vai acontecer", quando questionado se Nova Deli poderia ser apanhada em meio às tensões criadas entre os dois países ocidentais mencionados.

    Vizinhos problemáticos

    A Sputnik apontou o fato de que o Paquistão e o Bangladesh, países vizinhos da Índia, têm vindo a adquirir submarinos da China. Sabendo isso, e caso Pequim disponibilize tecnologia e submarinos militares aos vizinhos da Índia, como poderia isso afetar a Marinha indiana?

    Sharma remata que "não se pode prever nada quanto à China". O gigante asiático utiliza o porto marítimo paquistanês e tem fornecido submarinos à Marinha do Bangladesh. A China também está fabricando barcos de propulsão aérea independente (AIP, na sigla em inglês) para o Paquistão. Por esses motivos, "a Marinha indiana está atenta a tudo o que está acontecendo nesses países".
    Navio de guerra da China participa de exercício Aman no mar Arábico, ao largo de Karachi, Paquistão, 15 de fevereiro de 2021
    © AP Photo / Mohammad Farooq
    Navio de guerra da China participa de exercício Aman no mar Arábico, ao largo de Karachi, Paquistão, 15 de fevereiro de 2021

    Sobre o que fará a China após a oficialização da nova aliança trilateral AUKUS, Sharma acredita que Pequim “fará o que tem vindo a fazer”. Contudo, de momento, os países democráticos e suas marinhas "estão se reunindo para poderem controlar um tipo de nação que tenta exercer pressão através de vários meios duvidosos [...] sem mostrar qualquer tipo de consideração pelas regras e regulamentos em alto mar".

    Desse jeito, o antigo porta-voz da Marinha indiana espera que, com o início de atividades da AUKUS, Pequim perceba que "seus truques não funcionarão mais".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Em meio às tensões com Índia, Xi elogia militares no Tibete que cumprem 'deveres na defesa do país'
    China mobiliza forças aéreas e navais para monitorar destróier dos EUA no estreito de Taiwan
    Sistema S-500 entra em serviço do Exército da Rússia e pode ser exportado para Índia
    Tags:
    Austrália, EUA, Reino Unido, aliança, Pacífico, tensões, China, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar