20:04 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4114
    Nos siga no

    O movimento Talibã solicita liberação de fundos do Afeganistão congelados nos bancos norte-americanos e também a exclusão dos líderes islamistas das listas de sanções.

    O movimento Talibã pede aos EUA para lhes entregarem cerca de US$ 10 bilhões (R$ 52 bilhões) de fundos congelados do Afeganistão, informou o canal Shamshad News citando o islamista Khalil ur-Rahman Haqqani, nomeado o ministro interino para Assuntos dos Refugiados.

    Além disso, os islamistas solicitam que os Estados Unidos forneçam os bilhões de dólares alocados anteriormente para assistência ao Afeganistão e reconstrução do país.

    Haqqani também apelou aos EUA e à Organização das Nações Unidas (ONU) para excluírem os nomes dos líderes talibãs das listas de sanções.

    Em agosto, foi informado que os Estados Unidos congelaram as reservas pertencentes ao governo do Afeganistão nos bancos norte-americanos. Tal decisão foi tomada por Washington após o Talibã ter chegado ao poder em Cabul.

    Nesta terça-feira (7), o Talibã anunciou o novo governo provisório afegão. Os talibãs apontaram Mohammad Hasan Akhund como primeiro-ministro interino. Akhund, um dos fundadores do Talibã, está sob sanções da Organização das Nações Unidas desde 2001.

    O cofundador do grupo insurgente Abdul Ghani Baradar será o novo vice-premiê. Amir Khan Muttaqi foi nomeado novo ministro das Relações Exteriores do Afeganistão, Hedayatullah Badri atuará como ministro das Finanças, Mohammad Idris será o novo chefe do Banco Central afegão e Qari Din Mohammad Hanif foi indicado como ministro da Economia do país.

    Mais:

    Nomeação ao governo do Talibã de Haqqani procurado pelo FBI é 'tapa na cara dos EUA', diz analista
    Por telefone: Putin e chefe do Conselho Europeu discutem Afeganistão, Ucrânia e Nagorno-Karabakh
    Governo do Talibã tem 'mãos manchadas de sangue de norte-americanos', diz fonte do Pentágono
    Tags:
    Afeganistão, EUA, fundo, banco, Talibã, ONU, sanções, dinheiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar