00:09 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    553
    Nos siga no

    O novo governo afegão anunciado pelo Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) inclui pessoas que mataram norte-americanos, disse uma fonte do Pentágono ao canal Sky News Arabia.

    Um funcionário do Pentágono afirmou que a composição do novo governo anunciada pelos islamistas inclui "indivíduos considerados terroristas, cujas mãos estão machadas de sangue de norte-americanos", segundo a mídia.

    "A maioria dos membros do governo são radicais e estão ligados às organizações terroristas, entre eles está o chamado ministro do Interior Sarajuddin Haqqani", afirmou a fonte ao canal.

    O funcionário dos EUA revelou que atualmente Washington quer uma situação estabilizada no Afeganistão, dado que no país ainda permanecem norte-americanos.

    "[Os EUA] se reservam o direito de perseguir e destruir os terroristas afegãos em qualquer lugar, se representarem ameaça para os interesses norte-americanos", destacou o funcionário.

    Nesta terça-feira (7), o Talibã anunciou o novo governo provisório afegão. Os talibãs apontaram Mohammad Hasan Akhund como primeiro-ministro interino. Akhund, um dos fundadores do Talibã, está sob sanções da Organização das Nações Unidas desde 2001.

    O cofundador do grupo insurgente, Abdul Ghani Baradar, passará a ser o novo vice-premiê. Amir Khan Muttaqi foi nomeado novo ministro das Relações Exteriores do Afeganistão; Hedayatullah Badri atuará como ministro das Finanças, Mohammad Idris será o novo chefe do Banco Central afegão e Qari Din Mohammad Hanif foi indicado como ministro da Economia do país.

    Mais:

    Por telefone: Putin e chefe do Conselho Europeu discutem Afeganistão, Ucrânia e Nagorno-Karabakh
    'China tem problema real com o Talibã' e tentará 'chegar a um acordo' com islamistas, diz Biden
    Embaixador afegão: governo do Talibã é 'ilegítimo', nenhuma das 67 embaixadas o reconhece
    Ex-presidente Ghani pede desculpa aos afegãos por não ter conseguido 'terminar de forma diferente'
    Tags:
    Afeganistão, EUA, governo, sangue, vítimas, morte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar