08:42 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4162
    Nos siga no

    Enquanto o presidente norte-americano, Joe Biden, afirma que demorará até os EUA reconhecerem o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) como novo governo afegão, o grupo demonstra uma posição mais aberta.

    O movimento Talibã diz estar pronto para iniciar relações com Washington, e que tais relações poderiam servir os interesses tanto do Afeganistão como dos EUA, afirmou o porta-voz do grupo insurgente, Suhail Shaheen, à Sputnik, nesta terça-feira (7).

    "Sim, claro, em um novo capítulo, se a América quiser ter uma relação conosco, o que poderia ser do interesse de ambos os países e de ambos os povos, e se quiserem participar da reconstrução do Afeganistão, são bem-vindos", declarou Shaheen.

    O porta-voz acrescentou que o Talibã não terá relações com Israel, mas quer manter o diálogo com todos os outros países vizinhos.

    "Claro que não teremos qualquer relação com Israel. Queremos ter relações com outros países, e Israel não está entre eles. Queremos ter relações com países vizinhos e regionais, bem como com países asiáticos", disse Shaheen.

    Na manhã de segunda-feira (6), Zabihullah Mujahid, também porta-voz do Talibã, declarou o fim da guerra no Afeganistão e disse que nos próximos dias seria anunciada a composição do novo governo.

    Por enquanto, vários líderes mundiais aguardam para reconhecer o governo talibã no Afeganistão, afirmando que estão monitorizando o comportamento do grupo. Até agora, apenas três países reconheceram o Talibã como entidade administrativa do país: o Paquistão, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos.

    Mais:

    Porta-voz do Talibã anuncia fim da guerra no Afeganistão e promete divulgar composição do governo
    Talibã abre fogo para dispersar manifestantes de protestos contra Paquistão (VÍDEOS)
    Al-Qaeda e EI-K vão usar fluxo de refugiados afegãos para chegar à Europa e EUA, dizem analistas
    Tags:
    Talibã, EUA, Afeganistão, relações diplomáticas, diálogo, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar