08:46 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6730
    Nos siga no

    Um membro do Senado dos EUA defendeu o regresso das forças militares do país ao Afeganistão por preocupações com o ressurgimento do terrorismo.

    Lindsey Graham, senador republicano dos EUA, crê que as tropas norte-americanas regressarão ao Afeganistão apesar da caótica retirada militar do país, que foi concluída na última segunda-feira (30).

    "Voltaremos ao Afeganistão tal como voltamos ao Iraque e à Síria", disse Graham em uma entrevista à emissora BBC.

    Respondendo à pergunta se ele sinceramente acredita que Washington estará disposto a voltar ao país que agora está sob o controle de fato do Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), Graham disse que os EUA simplesmente não tinham outra escolha.

    "Teremos que fazê-lo porque a ameaça [de terrorismo] será tão grande", argumentou o senador, acrescentando que o Afeganistão poderia se tornar um ponto de acesso para o "comportamento islâmico radical", bem como um porto seguro para a Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).

    Segundo Graham, a preocupação com o surgimento de elementos terroristas é a razão pela qual os EUA "voltaram" ao Iraque, onde "5.000 soldados" estão estacionados hoje.

    Graham afirma que os EUA têm poucas opções em relação à situação atual no Afeganistão.

    Porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid (no centro com xaile), faz anúncio no aeroporto de Cabul após a saída das tropas americanas, 31 de agosto de 2021
    © AFP 2021 / WAKIL KOHSAR
    Porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid (no centro com xaile), faz anúncio no aeroporto de Cabul após a saída das tropas americanas, 31 de agosto de 2021

    "Aqui está minha solução: ajudar a resistência no Vale do Panjshir, o Talibã não poderá governar o Afeganistão, eles são odiados pelo povo afegão. O que vai acontecer com o tempo à medida que você veja a resistência aumentando? O Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países] virá com todas as forças contra o Talibã, e todo o país ficará fraturado no próximo ano, criando uma tempestade perfeita para que os interesses ocidentais sejam atacados", sugeriu.

    'Não é o Talibã que está prolongando isto'

    Rick Clay, um americano que dirige a organização privada de resgate PlanB, disse, citado na segunda-feira (6) pela emissora Fox News, que na semana passada havia cerca de 4.500 cidadãos dos EUA, portadores de vistos especiais e também refugiados tentando sair do Afeganistão.

    De acordo com ele, o Departamento de Estado norte-americano "não está permitindo que nenhum fretador privado leve refugiados [para] aterrissar em qualquer lugar" em países vizinhos do Afeganistão, ao mesmo tempo que apresenta diferentes "desculpas" para os atrasos, como problemas de radar ou a falta de controladores de tráfego aéreo.

    A Fox News também mencionou dois norte-americanos anônimos que concordaram com sua narrativa, com um deles afirmando que a relutância do Departamento de Estado provavelmente foi motivada, pelo menos em parte, pelo "constrangimento" de que o trabalho de evacuação tinha sido deixado a cidadãos particulares.

    "Se uma vida é perdida como resultado disso, o sangue está nas mãos da Casa Branca. O sangue está nas mãos deles. Não é o Talibã que está prolongando isto, por mais que me enjoe dizer isso, é o governo dos Estados Unidos", criticou. Até domingo (5), a PlanB ainda não teria recebido permissão para aterrissar fora do Afeganistão.

    O relato da emissora mencionou ainda dois norte-americanos, envolvidos em uma evacuação privada, que receberam permissão do governo dos EUA para aterrissar em um país adjacente ao Afeganistão, mas não para decolar, a qual o Talibã já deu.

    Talibãs prometem mudanças na Constituição

    Os talibãs tomaram Cabul, capital do Afeganistão, em 15 de agosto, quase sem luta, e proclamaram o fim da guerra de 20 anos no dia seguinte. Os militantes continuaram lutando contra a Frente de Resistência na província de Panjshir, o único território no Afeganistão que se acredita não ter caído sob o controle do grupo. O Talibã já anunciou várias vezes nos últimos dias que finalmente conseguiu capturar a província, com a resistência refutando repetidamente essas afirmações.

    A Frente de Resistência acusou o Paquistão de apoiar a ofensiva do Talibã em Panjshir, com Ahmad Massoud, líder do movimento, declarando no Twitter que o Exército do Paquistão "está cooperando com eles", enquanto, segundo o jornalista Habib Khan, "drones do Paquistão estão bombardeando terra afegã".

    Zabihullah Mujahid, porta-voz do Talibã, confirmou na segunda-feira (6) em uma coletiva de imprensa que a Constituição do Afeganistão será diferente.

    "Assim que o sistema [de governo] for aprovado, começaremos a trabalhar na Constituição, ela será reescrita ou emendada."

    A Constituição do Afeganistão, de 162 artigos, foi aprovada em janeiro de 2004 e assinada pelo então presidente Hamid Karzai em meio à ocupação militar da OTAN.

    Mais:

    Presidente do parlamento iraniano: 'Governo fantoche' afegão errou ao confiar nos EUA
    Mídia: EUA têm dificuldades em 'filtrar' tráfico de crianças e criminosos entre refugiados afegãos
    Vinte anos depois: últimas tropas dos EUA deixaram o Afeganistão, diz Pentágono
    Quase 100 países fazem acordo com Talibã para saída segura do Afeganistão; Brasil não está na lista
    Tags:
    EUA, Afeganistão, Senado, Senado dos EUA, BBC, Lindsey Graham, Talibã, Al-Qaeda, Daesh, FOX News, Departamento de Estado, Departamento de Estado dos EUA, Casa Branca, Paquistão, Twitter, Exército do Paquistão, Hamid Karzai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar