09:48 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2563
    Nos siga no

    Nesta sexta-feira (3), o presidente russo, Vladimir Putin comentou a situação no Afeganistão, durante o Fórum Econômico do Oriente, afirmando que a democracia não pode ser imposta à força e que, se a população precisar dela, chegará a ela por si própria.

    "Se a população precisar da democracia, a população chegará a ela por si própria, isso não precisa ser imposto à força", declarou Putin.

    Putin observou ainda que o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países) no Afeganistão não é um movimento homogêneo, pois no território atuam diferentes grupos.

    Em relação ao reconhecimento do novo governo afegão, Putin afirmou que é preciso analisar as realidades, o que está por trás de suas declarações.

    Presidente russo Vladimir Putin durante cúpula da Organização do Tratado de Segurança Coletiva, 23 de agosto de 2021
    © Sputnik / Yevgeny Paulin
    Presidente russo Vladimir Putin durante cúpula da Organização do Tratado de Segurança Coletiva, 23 de agosto de 2021

    Vladimir Putin fez questão de ressaltar que a Rússia não está interessada na desintegração do Afeganistão.

    "A Rússia não está interessada na desintegração do Afeganistão. Se isso acontecer, então não haverá ninguém com quem conversar. E se for esse o caso, é preciso pensar sobre o seguinte: quanto mais cedo o Talibã se juntar à família das nações civilizadas, mais fácil vai ser contatar, conversar, de alguma forma influenciar e questionar", declarou Putin.

    Além disso, o líder russo definiu a situação do Afeganistão como uma "catástrofe humanitária", destacando que a ONU e o seu Conselho de Segurança têm a responsabilidade de manter a ordem no mundo.

    No dia 15 de agosto, Ashraf Ghani renunciou e deixou o país, citando o desejo de evitar que o Talibã "massacrasse" as pessoas em Cabul.

    Após a fuga do ex-presidente afegão, o Talibã anunciou ter o controle total sobre as instituições oficiais de Cabul, sobre a guarda do palácio presidencial e sobre a organização de patrulhas noturnas na cidade.

    Mais:

    China: saída dos EUA do Afeganistão mostra que intervenções militares estão condenadas a fracasso
    Conselho de Segurança da ONU adota resolução sobre saída do Afeganistão; Rússia e China se abstêm
    Vinte anos depois: últimas tropas dos EUA deixaram o Afeganistão, diz Pentágono
    Tags:
    Vladimir Putin, Afeganistão, Talibã, Rússia, democracia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar