20:12 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0230
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que a retirada das tropas americanas do solo afegão demonstra que as intervenções militares, bem como a política de imposição de valores alheios, estão condenadas ao fracasso.

    "A retirada das tropas dos EUA do Afeganistão indica que a intervenção militar arbitrária em outros países, bem como a política de imposição de seus próprios valores e sistema social a outros Estados, estão condenadas ao fracasso", disse o diplomata chinês Wang Wenbin durante um briefing.

    Em 30 de agosto, o diplomata referiu que a comunidade internacional deve respeitar a soberania e integridade territorial do Afeganistão.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, gesticula durante reunião em Pequim, China. Foto de arquivo
    © AFP 2021 / Ng Han Guan
    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, gesticula durante reunião em Pequim, China. Foto de arquivo

    Na semana passada, o Ministério do Comércio da China anunciou que Pequim está pronta para cooperar com a comunidade mundial para facilitar a reconstrução pacífica do país da Ásia Central. O porta-voz do ministério ressaltou que o comércio entre a China e o Afeganistão totalizou US$ 550 milhões (R$ 2,85 bilhões) em 2020. Durante a primeira metade deste ano, o comércio aumentou em 44% para US$ 310 milhões (R$ 1,6 bilhão), conforme os dados da pasta.

    Após a tomada do poder pelo Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) em 15 de agosto, o presidente chinês Xi Jinping e o presidente russo Vladimir Putin discutiram a situação no Afeganistão. Ambos os presidentes ressaltaram a importância de priorizar "alcançar a paz o mais rápido possível" no país e não deixar a "instabilidade se disseminar" aos Estados vizinhos.

    Além disso, o chanceler da China Wang Yi disse, durante uma ligação telefônica com o secretário de Estado americano Antony Blinken em 17 de agosto, que Pequim está disposta a cooperar com os Estados Unidos no Afeganistão para prevenir uma guerra civil e para impedir que o país se torne um terreno fértil para o terrorismo.

    Na segunda-feira (30), Washington anunciou a retirada completa das tropas do país e o fim da missão lá por quase 20 anos. O aeroporto de Cabul está agora sob o controle total do Talibã.

    Mais:

    UE prepara resposta para 'impedir migração descontrolada do Afeganistão', diz mídia
    Forças de resistência repelem ataque do Talibã em Panjshir, no Afeganistão
    Conselho de Segurança da ONU adota resolução sobre saída do Afeganistão; Rússia e China se abstêm
    Tags:
    China, Afeganistão, retirada, Cabul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar