10:20 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    365
    Nos siga no

    Duas embarcações da China teriam entrado nas águas territoriais das ilhas Senkaku, cuja posse o país disputa com o Japão. Segundo mídia japonesa, é a 32ª vez que tal acontece em 2021.

    Dois navios de patrulha chineses entraram nas águas territoriais do Japão perto das disputadas ilhas Senkaku, ou ilhas Diaouyu, como são chamadas na China, informou no sábado (28) a agência japonesa Kyodo citando as forças de segurança marítima.

    No início, quatro navios no total foram avistados na área junto do limite das águas territoriais do Japão. Em seguida, duas das embarcações entraram nas águas territoriais e tentaram se aproximar de um navio de pesca japonês.

    Um dos navios que não atravessou a fronteira marítima foi relatado como tendo um canhão automático.

    Trata-se da 32ª vez que navios da China entram nas águas territoriais do Japão em 2021, de acordo com a Kyodo.

    Nos últimos anos o Japão expressou preocupação com as atividades da China na região, especialmente em relação ao arquipélago, que ambos os países disputam. Tóquio afirma ter soberania sobre as ilhas desde 1895, enquanto Pequim argumenta que o local foi marcado como território chinês em mapas japoneses de 1783 e 1785.

    Após a Segunda Guerra Mundial, os EUA passaram a controlar as ilhas até sua entrega ao Japão, em 1972. A China alega que o Japão tomou ilegalmente posse das ilhas. Tóquio, por sua vez, sugere que Pequim só se interessou por elas na década de 1970 porque se descobriu que o território tinha potenciais reservas de petróleo.

    Mais:

    Mídia: EUA e Japão conduzem 'jogos de guerra secretos' para possível conflito entre China e Taiwan
    Navios chineses entram nas águas territoriais do Japão em meio à disputa territorial
    China lança relatório e site sobre ilhas disputadas e expõe 'conluio' entre Japão e EUA
    Tags:
    China, Japão, Ilhas Senkaku, Ilhas Diaoyu, Kyodo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar