15:53 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    71139
    Nos siga no

    No final de 2020, um estudo americano mostrou que o número de civis afegãos mortos durante ataques aéreos conduzidos pelos EUA e seus aliados cresceu 330% desde 2017.

    O portal Connecting Vets publicou vídeo vazado de um drone de ataque dos EUA na província afegã de Helmand. O episódio, supostamente, ocorreu em 2019.

    De acordo com o portal, os ataques foram conduzidos por um operador de drone, que admitiu ter matado dois inocentes civis afegãos e uma criança por engano.

    ​Piloto de drone dos EUA vaza vídeo de suas mortes e revela como matou acidentalmente uma criança e dois adultos no Afeganistão depois da forte expansão de assassinatos remotos sob o governo Trump.

    As cenas mostram os três civis caminhando em linha antes do ataque do que parece ser um drone.

    "Minha produtividade hoje foi desestabilizada. Matamos dois homens inocentes e uma criança", diz o operador em condição de anonimato.

    O Connecting Vets também se referiu a outros operadores de drones, que insistiram que os ataques de drones realizados pela Força-Tarefa do Sudeste não faziam sentido, visto que os fuzileiros navais dos EUA desistiram de Helmand.

    "Os ataques de drones foram punitivos. Matar por matar. Isso é niilista, não tem sentido. Estava claro que não estávamos fazendo a diferença", declarou o operador.

    As alegadas revelações surgiram em meio à retirada dos EUA e das tropas da OTAN do Afeganistão, onde o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países) assumiu o poder do país no dia 15 de agosto.

    Mais:

    Biden considera sanções contra Talibã 'dependendo do contexto' e pode estender prazo de evacuação
    Raab: Reino Unido precisará de 'influência moderadora' da Rússia e China sobre Talibã
    Talibã: 31 de agosto é 'linha vermelha' para tropas estrangeiras saírem do Afeganistão
    Tags:
    drone, drones, veículo aéreo não tripulado, ataque aéreo, Afeganistão, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar