04:33 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    11452
    Nos siga no

    O chefe da diplomacia da União Europeia afirmou que 106 funcionários das delegações do bloco e suas famílias deixaram com segurança Cabul e chegaram em Madri.

    A União Europeia (UE) deve intervir imediatamente e não permitir que a Rússia e a China assumam o controle da situação no Afeganistão e se tornem os principais atores em Cabul, disse o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell nesta quinta-feira (19).

    "O que não podemos fazer é deixar os chineses e russos assumirem o controle da situação [...]. Poderíamos nos tornar irrelevantes", disse Borrell a uma comissão do Parlamento Europeu e citado pela agência AP.

    O chefe da diplomacia da UE criticou o presidente dos EUA, Joe Biden, por minimizar o compromisso com a construção de uma nação no Afeganistão. Borrell insistiu que incutir o estado de direito e alcançar direitos básicos para mulheres e minorias eram objetivos da intervenção militar ocidental no país, juntamente com o objetivo inicial de acabar com terrorismo na região.

    Joe Biden, presidente dos EUA, responde a perguntas de repórteres na Sala Leste da Casa Branca em Washington, EUA, 10 de agosto de 2021
    © REUTERS / Evelyn Hockstein
    Joe Biden, presidente dos EUA, responde a perguntas de repórteres na Sala Leste da Casa Branca em Washington, EUA, 10 de agosto de 2021
    "Presidente Biden disse no outro dia que nunca foi o propósito, [que] construir um Estado não era o propósito. Bem, isso é discutível [...]. Vinte anos depois, você pode dizer que podemos ter conseguido sucesso na primeira parte da nossa missão, mas falhamos na segunda."

    As declarações foram dadas durante uma reunião para definir as próximas ações do bloco europeu e Borrell observou que espera trabalhar em estreita colaboração com os EUA para intensificar os esforços diplomáticos.

    O alto representante do bloco considerou a situação no Afeganistão uma "catástrofe", que o ressurgimento do Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) é um "pesadelo" e que Bruxelas agora tem que enfrentar uma "dolorosa realidade no terreno".

    Centenas de pessoas se reúnem perto de um avião de transporte C-17 da Força Aérea dos EUA em um perímetro no aeroporto internacional de Cabul, Afeganistão, 16 de agosto de 2021
    © AP Photo / Shekib Rahmani
    Centenas de pessoas se reúnem perto de um avião de transporte C-17 da Força Aérea dos EUA em um perímetro no aeroporto internacional de Cabul, Afeganistão, 16 de agosto de 2021

    Evacuação de Cabul

    O chefe da diplomacia da UE afirmou que 106 funcionários das delegações do bloco europeu e suas famílias deixaram com segurança o Afeganistão e chegaram em Madri, Espanha, enquanto pelo menos 300 permanecem em Cabul.

    "Ainda há 300 mais funcionários afegãos das delegações da UE bloqueados nas ruas de Cabul tentando chegar ao aeroporto e tentar embarcar em alguns dos voos dos Estados-membros da UE", disse Borrell.

    O chefe da diplomacia da UE concluiu afirmando que essas pessoas "promoveram e defenderam os interesses e valores da UE no Afeganistão ao longo de muitos anos" e que o bloco europeu tinha o dever moral de "protegê-los e salvar o maior número possível de pessoas".

    Mais:

    EUA e Reino Unido concordam em realizar cúpula virtual do G7 sobre Afeganistão
    Trump: helicópteros americanos entregues ao Afeganistão cairão nas mãos da Rússia e China
    Ex-presidente do Afeganistão e sua família estão nos Emirados Árabes Unidos, confirma Abu Dhabi
    'Entrada dos EUA no Afeganistão nem deveria ter acontecido', diz analista brasileiro
    Tags:
    Josep Borrell, União Europeia, Afeganistão, Cabul, EUA, Joe Biden, Madri, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar