04:30 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    11226
    Nos siga no

    O presidente dos EUA, Joe Biden, disse nesta quarta-feira (18) que uma situação caótica no Afeganistão não poderia ser evitada após a retirada das forças norte-americanas do país.

    A ex-secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, acredita que os EUA se apressaram em retirar suas tropas do Afeganistão, o que levou à tomada do poder pelo Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países), escreveu Rice em um artigo de opinião no jornal Washington Post na terça-feira (17).

    "Vinte anos não foram suficientes para completar uma jornada do século VII do governo Talibã e uma guerra civil de 30 anos para um governo estável. Vinte anos também podem não ter sido suficientes para consolidar nossos ganhos contra o terrorismo e garantir nossa própria segurança [...]. Nós, e eles [os afegãos], precisávamos de mais tempo", argumenta a funcionária do governo do republicano George W. Bush (2001-2009).

    De acordo com Rice, como "chegará a hora de avaliar onde falhamos, e o que alcançamos". Com a queda de Cabul surgiu uma narrativa "corrosiva e profundamente injusta", segundo a qual o povo do Afeganistão está sendo culpado por tudo o que aconteceu após a retirada dos EUA.

    A ex-secretária de Estado cita o discurso do presidente Joe Biden na segunda-feira (16), no qual o democrata afirma que os EUA deram aos afegãos "todas as chances de determinar seu próprio futuro".

    Presidente dos EUA Joe Biden na Casa Branca, Washington, 6 de agosto de 2021
    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Presidente dos EUA Joe Biden na Casa Branca, Washington, 6 de agosto de 2021
    "Não, eles não escolheram o Talibã. No final das contas, os afegãos não puderam manter o país sem nosso poder aéreo e nosso apoio. Não é surpreendente que as forças de segurança afegãs tenham perdido a vontade de lutar, quando o Talibã advertiu que os EUA os estavam abandonando e que aqueles que resistissem veriam suas famílias mortas", escreve Rice

    A ex-secretária de Estado dos EUA afirma agora é a hora de reforçar "nosso compromisso com a Ucrânia, o Iraque e, particularmente, Taiwan". Rice encerra o artigo com um apelo ao atual governo, à luz das recentes comparações entre a queda de Cabul e a capital do Vietnã do Sul, Saigon, em 1975, para repetir a lição daquela guerra e "fornecer refúgio urgente para os afegãos que acreditaram em nós".

    Caos era inevitável

    O presidente dos EUA afirmou nesta quarta-feira (18) que não achava que seria possível retirar as tropas norte-americanas do Afeganistão sem o tipo de "caos" visto nos últimos dias em Cabul, onde o movimento Talibã assumiu o controle no domingo (15).

    "A ideia de que, de uma forma ou de outra, havia uma saída sem caos, não vejo como isso seria possível", disse ao responder sobre se a retirada dos militares norte-americanos poderia ter sido mais bem administrada durante entrevista à emissora ABC News.

    Joe Biden disse ainda que está comprometido em manter tropas dos EUA no Afeganistão até que cada norte-americano seja evacuado, mesmo que isso signifique manter uma presença militar no país além do prazo final de 31 de agosto.

    Mais:

    Ex-presidente do Afeganistão e sua família estão nos Emirados Árabes Unidos, confirma Abu Dhabi
    Ex-líder afegão Ghani teria roubado US$ 169 milhões ao fugir do Afeganistão
    'Entrada dos EUA no Afeganistão nem deveria ter acontecido', diz analista brasileiro
    Itamaraty planeja conceder visto humanitário no Brasil para refugiados do Afeganistão, diz mídia
    Tags:
    Condoleezza Rice, George W. Bush, Joe Biden, Talibã, Afeganistão, Cabul, conflitos, conflito, conflito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar