10:37 25 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    13586
    Nos siga no

    Amrullah Saleh, vice-presidente do Afeganistão, utilizou as redes sociais nesta terça-feira (17) para anunciar que é o novo presidente interino do país.

    Na semana passada, Saleh participou de uma reunião de segurança presidida pelo então presidente Ashraf Ghani, que renunciou e fugiu do país no domingo (15). Na ocasião, Saleh afirmou que estava orgulhoso das Forças Armadas afegãs e que o governo faria tudo o que pudesse para fortalecer a resistência contra o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países), reporta a agência Reuters.

    Clareza: de acordo com a Constituição do Afeganistão, na ausência, fuga, renúncia ou morte do presidente, o vice-presidente passa a ser o presidente interino. Atualmente, estou dentro do meu país e sou o legítimo presidente interino. Estou entrando em contato com todos os líderes para garantir apoio deles e o consenso.​

    Saleh acrescentou que é "inútil" discutir com o presidente dos EUA, Joe Biden, sobre a retirada das forças norte-americanas.

    ​É inútil discutir com o presidente dos EUA sobre o Afeganistão agora. Deixe-o digerir. Nós afegãos devemos provar que o Afeganistão não é o Vietnã e que os talibãs não são nem remotamente como os vietcongues. Ao contrário dos EUA/OTAN, não perdemos o ânimo e vemos enormes oportunidades pela frente. As advertências inúteis acabaram. Juntem-se à resistência.

    Saleh, cujo paradeiro é desconhecido, disse ainda que "em hipótese alguma se curvará" aos "terroristas do Talibã". Ele também indicou que "nunca trairia" Ahmad Shah Massoud, líder da Aliança do Norte que foi assassinado por dois membros da Al-Qaeda (organização terrorista proibida na Rússia e em outros países) pouco antes dos ataques de 11 de setembro de 2001 nos EUA.

    Talibã fala sobre direito das mulheres

    O Talibã concedeu, nesta terça-feira (17), sua primeira entrevista coletiva em Cabul desde a tomada da cidade, declarando que deseja relações pacíficas com outros países e que respeitará os direitos das mulheres dentro da estrutura da lei islâmica.

    O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid (E), gesticula ao chegar para realizar a primeira entrevista coletiva em Cabul em 17 de agosto de 2021, após o movimento tomar o poder
    © AFP 2021 / HOSHANG HASHIMI
    O porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid (E), gesticula ao chegar para realizar a primeira entrevista coletiva em Cabul em 17 de agosto de 2021, após o movimento tomar o poder

    O principal porta-voz do movimento, Zabihullah Mujahid, afirmou que as mulheres terão permissão para trabalhar e estudar e "serão muito ativas na sociedade, mas dentro da estrutura do Islã".

    O Talibã não buscará retaliação contra ex-soldados e membros do governo afegão apoiado pelo Ocidente, garantiu Mujahid, dizendo que o movimento está concedendo anistia para ex-soldados do governo, bem como contratados e tradutores que trabalharam para as forças internacionais. "Ninguém vai fazer mal a vocês, ninguém vai bater em suas portas."

    No acordo realizado com Washington sobre a retirada das tropas dos EUA, firmado no ano passado, ainda sobre a presidência de Donald Trump, o Talibã concordou em não atacar as forças estrangeiras quando elas partissem.

    'Decisão correta'

    O presidente norte-americano Joe Biden afirmou na segunda-feira (16) que as tropas norte-americanas no Afeganistão não deveriam lutar em uma guerra na qual os próprios afegãos não estão dispostos a lutar. O democrata acrescentou que "os líderes políticos do Afeganistão não foram capazes de se unir para o bem de seu povo e pelo futuro de seu país".

    Biden disse ainda que os EUA continuarão evacuando milhares de cidadãos norte-americanos e aliados afegãos do país nos próximos dias e que Washington continuará a defender os direitos das mulheres e meninas do Afeganistão.

    Mais:

    Aeronaves militares do Afeganistão e Uzbequistão se chocam durante voo
    Secretário de Defesa britânico lamenta papel do Ocidente no Afeganistão
    Após Iugoslávia e Líbia não devia haver outras expectativas sobre EUA no Afeganistão, diz MRE russo
    Senador dos EUA insta a que se investiguem ações de Biden no Afeganistão
    Tags:
    Afeganistão, Talibã, Al-Qaeda, EUA, Joe Biden, presidente, vice-presidente
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar