20:00 16 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1122
    Nos siga no

    Mais de 60 países, incluindo os EUA, países da União Europeia e outros, apelam para que os cidadãos estrangeiros e afegãos que queiram deixar o Afeganistão possam ter uma oportunidade de o fazer em segurança.

    No sábado (14), 65 países e o Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança assinaram uma declaração conjunta sobre o Afeganistão, publicada pelo Departamento de Estado dos EUA, "apelando a todas as partes para que respeitem e facilitem a partida segura e ordenada de estrangeiros e afegãos que desejam deixar o país".

    "Aqueles que estão em posições de poder e autoridade em todo o Afeganistão têm obrigação - e responsabilidade - pela proteção da vida humana e propriedade, e pela restauração imediata da segurança e ordem civil", diz a declaração.

    Entre os países que assinaram a declaração estão a Austrália, Áustria, Bahamas, Bélgica, Burkina Faso, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Costa do Marfim, República Tcheca, Dinamarca, República Dominicana, El Salvador, Estônia, Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, Estados Federados da Micronésia, Fiji, Finlândia, França, Geórgia, Alemanha, Gana, Grécia, Guatemala, Guiana, Haiti, Honduras, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Letônia, Libéria, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Ilhas Marshall, Mauritânia, Nauru, Países Baixos, Nova Zelândia, Nigéria, Noruega, Palau, Panamá, Paraguai, Polônia, Portugal, Catar, Coreia do Sul, Chipre, Romênia, Serra Leoa, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suriname, Suécia, Togo, Tonga, Uganda, Reino Unido, Ucrânia e Iêmen.

    "Os afegãos e cidadãos estrangeiros que desejem partir devem ser autorizados a fazê-lo; rodovias, aeroportos e travessias de fronteira devem permanecer abertas, e a calma deve ser mantida. O povo afegão merece viver em segurança, proteção e dignidade. Nós, na comunidade internacional, estamos prontos para ajudá-los", indica a declaração.

    A declaração foi publicada após os talibãs tomarem Cabul, depois que o presidente Ashraf Ghani anunciou sua resignação e deixou o país.

    Ghani afirmou que deixou o país para evitar um banho de sangue, quando os militantes estavam supostamente prontos para realizar um ataque à capital.

    Mais:

    Apesar de avanços do Talibã, Biden diz não se arrepender da decisão de retirar tropas do Afeganistão
    Presidente afegão diz que negociações com Talibã estão em impasse e se prepara para guerra civil
    Talibã adverte Estados Unidos contra interferência nos assuntos do Afeganistão, diz mídia
    Tags:
    Afeganistão, Talibã, EUA, conflito, conflitos, União Europeia, política
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar