00:36 24 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0223
    Nos siga no

    Na terça-feira (10), Atul Keshap, encarregado de negócios da embaixada dos EUA na Índia, reuniu-se com o representante do Dalai Lama, Ngodup Dongchung.

    Pequim expressou indignação com o recente encontro entre um enviado dos EUA e o representante do líder espiritual tibetano Dalai Lama, denunciando o "ato provocativo" como interferência nos assuntos internos da China, afirmou a embaixada chinesa na Índia nesta quarta-feira (11).

    "Qualquer forma de contato entre o lado dos EUA e a camarilha do Dalai [Lama] é uma violação do compromisso dos EUA de reconhecer o Tibete como parte da China, [e] de não apoiar a 'independência tibetana' e de não apoiar as tentativas de dividir a China", escreveu no Twitter Wang Xiaojian, porta-voz da embaixada da China na Índia.

    Na terça-feira (10), Atul Keshap, encarregado de negócios da embaixada dos EUA na Índia, reuniu-se com o representante do Dalai Lama, Ngodup Dongchung. A reunião acontece quase duas semanas depois que o secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, ter se encontrado com o representante do líder espiritual durante sua visita à Índia.

    ​Gostei do encontro com Ngodup Dongchung, representante de Sua Santidade Dalai Lama. Os EUA apoiam a liberdade religiosa e a preservação das identidades culturais e linguísticas únicas dos tibetanos e respeitam a visão de Dalai Lama para os direitos iguais para todas as pessoas.

    Wang Xiaojian afirmou que o chamado "governo tibetano no exílio" é uma organização política separatista com uma agenda que viola completamente a Constituição e as leis da China e não é reconhecida por nenhum país.

    Atul Keshap, opomo-nos veementemente aos repetidos atos de provocação dos EUA. Os assuntos tibetanos são assuntos puramente internos da China, que não permitem nenhuma interferência estrangeira.

    Especialistas ouvidos pelo jornal chinês Global Times afirmaram que a visita de Blinken à Índia em julho demonstra que a intenção dos EUA de "amarrar" a Índia para conter a China é clara e permanecerá inalterada.

    Mais:

    China usa todos os instrumentos para alcançar seus objetivos, EUA ficam para trás, diz general
    China rebate EUA sobre 5G da Huawei no Brasil: 'Querem sabotar a parceria sino-brasileira'
    EUA 'não têm credibilidade' para fazer comentários sobre mar do Sul da China, diz emissário chinês
    Blinken admite que adversários como Rússia e China estão empurrando EUA para trás
    Tags:
    Tibete, China, Índia, Dalai Lama, EUA, Antony Blinken, separatismo, região separatista
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar