07:14 26 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2438
    Nos siga no

    Países como Reino Unido, França, Japão, Austrália e Nova Zelândia também estão expandindo suas atividades no Pacífico para conter a influência da China nos últimos meses.

    A Alemanha enviou nesta segunda-feira (2) um navio de guerra ao mar do Sul da China pela primeira vez em quase duas décadas, juntando-se a outras nações ocidentais na expansão da presença militar desses aliados na região, em meio ao crescente alarme de países ocidentais com as ambições territoriais da China.

    "Queremos que as leis existentes sejam respeitadas, que as rotas marítimas sejam livremente navegáveis, que as sociedades abertas sejam protegidas e que o comércio siga regras justas", disse Annegret Kramp-Karrenbauer, ministra da Defesa da Alemanha, citada pela agência Reuters.

    A ministra acompanhou a saída da fragata, que passará pela Austrália, Japão, Coreia do Sul e Vietnã. A missão deve durar sete meses. O navio provavelmente cruzará o mar do Sul da China em meados de dezembro, tornando-se o primeiro navio de guerra alemão a passar pela região desde 2002.

    Pequim reivindica faixas do mar do Sul da China e estabeleceu postos militares avançados em ilhas artificiais nas águas da região que contêm campos de gás e pesca abundantes.

    Ilha artificial da China perto das ilhas disputadas Spratly
    © AP Photo / Roley Dela Pena, Pool
    Ilha artificial da China perto das ilhas disputadas Spratly
    A Marinha dos EUA conduz regularmente as chamadas operações de "liberdade de navegação" nas quais seus navios passam perto de algumas das ilhas disputadas. A China, por sua vez, se opõe às missões norte-americanas, dizendo que essas atividades não ajudam a promover a paz ou a estabilidade.

    A mídia afirma que Washington colocou o combate a Pequim no centro de sua política de segurança nacional e busca reunir parceiros contra o que considera as políticas externa e econômica cada vez mais coercitivas da China.

    Destróier de mísseis guiados norte-americano USS John S.McCain, da classe Arleigh Burke, transita pelo mar do Sul da China realizando operação de rotina
    © Foto / Marinha dos EUA / Especialista em Comunicação de Massa da Primeira Classe Jeremy Graham
    Destróier de mísseis guiados norte-americano USS John S.McCain, da classe Arleigh Burke, transita pelo mar do Sul da China realizando operação de rotina

    Alemanha na corda bamba

    Autoridades em Berlim disseram que a Marinha da Alemanha se manterá em rotas comerciais comuns e a fragata não deve navegar pelo estreito de Taiwan, outra atividade regular dos EUA condenada por Pequim.

    Mesmo assim, Berlim deixou claro que a missão serve para enfatizar o fato de que a Alemanha não aceita as reivindicações territoriais da China. Países como Reino Unido, França, Japão, Austrália e Nova Zelândia também vêm expandindo suas atividades no Pacífico para conter a influência da China.

    A Alemanha está caminhando na corda bamba entre sua segurança e interesses econômicos, afirma a mídia, já que a China se tornou o parceiro comercial mais importante de Berlim. As exportações alemãs ajudaram a mitigar o impacto da pandemia do novo coronavírus na maior economia da Europa.

    Mais:

    Marinha dos EUA intensifica atividades de espionagem no mar do Sul da China
    FOTOS mostram navio de inteligência e aviões chineses em recife disputado no mar do Sul da China
    EUA e Indonésia vão construir centro de treinamento marítimo à entrada do mar do Sul da China (FOTO)
    Malásia denuncia 'intrusão' após interceptar 16 aviões militares chineses no mar do Sul da China
    Tags:
    China, França, Nova Zelândia, Japão, EUA, Mar do Sul da China, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar