04:10 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 61
    Nos siga no

    Um homem foi hospitalizado no sudoeste do país depois de contrair a cepa H5N6, porém os especialistas observaram que o risco de propagação do vírus em grande escala é muito baixo.

    A China confirmou um caso de infecção humana com a cepa H5N6 da gripe aviária na província de Sichuan, informa a Reuters citando mídias chinesas.

    O infectado é um homem de 55 anos, que atualmente está hospitalizado na cidade de Bazhong. De acordo com a emissora chinesa CGTN, o paciente mostrou sintomas de febre no dia 30 de junho e deu positivo ao vírus no dia 6 de julho.

    As autoridades locais ativaram uma resposta de emergência e sacrificaram as aves na área. Segundo especialistas, a infecção foi um caso ocasional e "o risco de uma epidemia invisível é extremamente baixo".

    O vírus H5N6 é uma de várias versões da gripe potencialmente perigosas, que foi detectada pela primeira vez há oito anos em Laos, e rapidamente se estendeu à China e outros países.

    Galinheiro
    Galinheiro

    Desde 2014 até a semana passada, foram confirmados 32 casos de infecção humana pelo vírus H5N6, bem como 19 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde na Ásia.

    Em junho, a Comissão Nacional de Saúde da China informou sobre a detecção do primeiro caso mundial de gripe aviária H10N3 em humanos na província de Jiangsu, no leste do país.

    A Comissão concluiu que o H10N3 é uma cepa pouco patógena do vírus das aves que "não tem a capacidade de infectar eficazmente os seres humanos", e por isso, o risco de uma propagação em grande escala é "extremamente baixo".

    Mais:

    Vírus perigoso descoberto pela 1ª vez em morcegos em caverna na Índia
    China compara acusações de criação de vírus às armas de destruição em massa no Iraque, diz embaixada
    COVID-19: estado indiano encontra nova mutação Delta Plus do vírus
    Tags:
    China, contaminação, vírus, gripe, aves
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar