05:49 01 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 61
    Nos siga no

    Forças de segurança na Índia estão em alerta máximo no seu território de Jammu e Caxemira, enquanto primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, reafirmou na terça-feira (13) seu apoio à causa de um movimento separatista.

    As forças de segurança na Índia estão em alerta máximo no território de Jammu e Caxemira, pois os líderes separatistas supostamente pediram uma paralisação nesta terça-feira (13), conhecido como Dia dos Mártires da Caxemira. O dia relembra a morte de caxemires em 1931 pelas tropas, enquanto milhares protestavam do lado de fora da prisão de Srinagar contra a prisão de um ativista.

    O primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, reafirmou em um post no Twitter seu apoio à causa do movimento separatista na Caxemira ocupada pela Índia, dizendo que seu país está ao lado da Caxemira na "luta dos caxemires contra a tirania e a ocupação ilegal da Índia".

    Estamos com os caxemires no Dia dos Mártires da Caxemira e prestamos homenagem aos 22 mortos de 13 de julho de 1931, martirizados quando os soldados de Dogra Maharaja atiraram em manifestantes pacíficos. A luta dos caxemires contra a tirania e a ocupação ilegal da Índia está repleta de uma história de resistência e sacrifício.

    No domingo (11), o inspetor-geral da polícia na Zona da Caxemira disse que a vigilância foi intensificada para garantir a paz e acrescentou que os serviços de Internet não serão interrompidos no território indiano de Jammu e Caxemira, enquanto os caxemires de ambos os lados da Linha de Controle observavam o Dia dos Mártires de Caxemira. No ano passado, os serviços de Internet foram suspensos pelos líderes separatistas.

    O primeiro-ministro do Paquistão foi acompanhado pelo presidente do país, dr. Arif Alvi, que disse: "A batalha da Caxemira contra a ocupação ilegal da Índia é justa e altruísta".

    O Dia dos Mártires não foi considerado um feriado oficial de estado por Jammu e Caxemira, ou Ladakh, pelo segundo ano consecutivo. A prática foi oficialmente interrompida em 5 de agosto de 2019, de acordo com o Artigo 370 da Constituição, quando o território indiano teve seu status especial revogado.

    O dia comemora um protesto contra o governo de Maharaja Hari Singh em 1931 no que era então um estado principesco. Em 13 de julho de 1931, 21 homens e mulheres da Caxemira foram mortos a tiros enquanto se reuniam do lado de fora da prisão central de Srinagar para protestar contra a prisão e o subsequente julgamento de Abdul Qadeer Khan, que era um agitador contra o governo Dogra do marajá.

    Mais:

    Índia proíbe drones ao norte da fronteira com Paquistão após ataque à base aérea de Jammu
    Exército paquistanês acusa tropas indianas de matar soldado na Caxemira
    Rússia oferece ajuda para mediar tensões entre Índia e Paquistão na Caxemira
    Tags:
    apoio, Índia, tirania, Paquistão, Caxemira, Jammu e Caxemira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar