17:07 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1265
    Nos siga no

    Após golpe militar em fevereiro deste ano, a situação em Mianmar continua instável. Em entrevista à Sputnik, o comandante em chefe das Forças Armadas de Mianmar, apontou os principais causas e formas de apoiar o país.

    Nesta semana, o general Min Aung Hlaing, que também lidera o Conselho de Defesa e Segurança Nacional do seu país, visitou a capital russa para participar da Conferência de Moscou sobre Segurança. O general se encontrou ainda com o secretário do Conselho de Segurança da Rússia, Nikolai Patrushev, e com representantes do Ministério da Defesa, incluindo o ministro Sergei Shoigu. Min Aung Hlaing também deu uma entrevista à Sputnik em que falou sobre as causas da situação atual em Mianmar, a interferência nos assuntos internos do país asiático e a cooperação com outros países.

    Ameaças na região

    Ao ser perguntado sobre quais são as principais ameaças à segurança na região Ásia-Pacífico hoje em dia, Hlaing explicou que, depois da Segunda Guerra Mundial, o interesse da política mundial mudou da Europa para a região da Ásia-Pacífico. A política mundial também se moveu da Europa para a Ásia. Desde então, não houve mais guerras desta escala, mas no Sudeste Asiático houve a Guerra do Vietnã.

    "Por isso, como nosso país está situado nessa região, temos que ter muito cuidado nesse combate da política mundial", disse Hlaing.
    Comandante em chefe das Forças Armadas de Mianmar, general Min Aung Hlaing, durante a IX Conferência de Moscou sobre Segurança, Moscou, Rússia, 23 de junho de 2021
    © Sputnik / Yevgeny Biyatov
    Comandante em chefe das Forças Armadas de Mianmar, general Min Aung Hlaing, durante a IX Conferência de Moscou sobre Segurança, Moscou, Rússia, 23 de junho de 2021

    Tem vários riscos na região, disse Hlaing, incluindo o terrorismo. "Mas os riscos adquirem principalmente a forma de interferência nos assuntos internos de outros países. Tem isso tanto na economia, quanto na política interna de um Estado. Tem interferência constante. Este é um indicador de riscos e ameaças", explicou o general.

    Interferência externa nos assuntos do país

    Hoje existe uma imagem controversa sobre a situação em Mianmar. Para Min Aung Hlaing, tem duas causas principais responsáveis pela criação desta imagem.

    "A primeira é a intenção de destruir nosso Estado. O que eles [os países ocidentais] estão escrevendo e fazendo leva à destruição do Estado. A segunda razão é que eles querem que o poder esteja nas mãos de pessoas que estão sob seu controle", disse o general.

    Segundo Hlaing, os países ocidentais usam não só a mídia, mas também os laços diplomáticos para interferir nos assuntos interiores do seu país. "Organizações internacionais como a ONU e organizações da sociedade civil também estão envolvidas. Eles estão interferindo intencionalmente em nossos assuntos internos", diz.

    Protesto contra golpe de Estado, Rangun, Mianmar, 26 de junho de 2021
    © AP Photo
    Protesto contra golpe de Estado, Rangun, Mianmar, 26 de junho de 2021

    Nas últimas semanas, aumentaram os protestos e confrontos com o Exército, especialmente no norte do país. Segundo Hlaing, os protestos no início foram provocados pela falsificação das eleições. Depois, continua o general, eles passaram para o estádio de terrorismo.

    "Primeiro, os manifestantes provocam medo entre a população local, para que as pessoas não prossigam com sua vida normal, para que o país fique inquieto. Segundo, eles destroem a imagem do governo atual na arena internacional. Eles estão fazendo isso intencionalmente para seu próprio benefício. Agora eles estão usando bombas caseiras, cometendo atos terroristas. E eles estão procurando apoio para se tornarem 'terroristas oficiais', procurando por patrocinadores. Estas são as principais razões", disse.

    "Seu objetivo final é que outros países interfiram oficialmente nos assuntos internos de nosso Estado. Para que outros países interfiram, eles precisam de uma situação instável". Para criar essa situação de ausência total de paz no país, eles procuram patrocinadores, explica o general.

    "Então, eles convidarão outros países a interferir nos assuntos internos do nosso Estado. Isso é o objetivo final desses oposicionistas", afirmou Hlaing.

    O que poderia ajudar a estabilizar a situação no país?

    De acordo com o general, antes de algum país decidir ajudar Mianmar, ele deve entender três pontos importantes sobre este país asiático: a sua cultura política, a sua legislação e a história do país.

    "Se houver uma compreensão completa destas três coisas, como é a situação na realidade, então outros países podem nos ajudar e apoiar na resolução da questão. Mas, no momento, muitas pessoas estão confiando em fontes de informação pouco verídicas. De onde essas informações vêm e quem as cria, eu já disse. Isto é feito de propósito para que outros países pensem que estas informações são verdadeiras e depois apresentem exigências de como e quais problemas resolver. Ou seja, é errado fornecer o chamado apoio com base em informações não confiáveis. Isto se revela uma interferência, enquanto precisamos de cooperação", explica o general.

    Cooperação com outros países

    Em Moscou, no decorrer nas negociações com o ministro da Defesa da Rússia, foram discutidas as perspectivas de cooperação militar e técnico-militar entre os dois países. As questões da defesa antiaérea estiveram entre as mais destacadas.

    "Na esfera da cooperação militar, estamos caminhando para seu desenvolvimento. Vamos criar uma nova cooperação, vamos expandi-la. Assim, nesta reunião, discutimos principalmente a expansão da cooperação existente [...] Nosso país está na esfera de interesses das grandes potências, por isso temos que ampliar nossos meios de defesa antiaérea para nossa segurança nacional", explicou o general.

    Ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, e o comandante em chefe das Forças Armadas de Mianmar, general Min Aung Hlaing, passam revista à guarda de honra antes das conversas em Moscou, Rússia, 22 de junho de 2021
    © REUTERS / Vadim Savitsky / Ministério da Defesa da Rússia / Handout
    Ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, e o comandante em chefe das Forças Armadas de Mianmar, general Min Aung Hlaing, passam revista à guarda de honra antes das conversas em Moscou, Rússia, 22 de junho de 2021
    O general acrescentou que, além da colaboração com a Rússia, Mianmar também trabalha em cooperação estreita com a China.

    "No momento, estou na Federação da Rússia. Tenho me empenhado intensamente na cooperação com a Rússia. Temos uma cooperação ativa com a China. Não somos um país fechado, nunca vamos fechar", explica.

    Perguntado sobre como a Rússia e a China poderiam contribuir para a estabilização da situação em Mianmar, Hlaing explica que o melhor apoio é "falar verdade".

    "A Rússia escreve e conta ao mundo inteiro exatamente a verdade, exatamente o que está acontecendo em nosso país. A China faz o mesmo. Isso é que é apoiar. Não estamos pedindo nenhum apoio especial, estamos simplesmente pedindo que falem verdade", explica Hlaing.

    Golpe de Estado em Mianmar

    O golpe militar em Mianmar ocorreu em 1º de fevereiro deste ano. Os líderes civis foram presos pelas Forças Armadas. Os militares explicaram suas ações pela suposta falsificação dos resultados das eleições de 2020 a favor do partido Liga Nacional pela Democracia, que estava no poder. Os militares também acusaram autoridades civis de não investigarem a fraude. Ao tomar o poder, os militares declararam o Estado de emergência e prometeram realizar eleições em um ano e passar o poder ao partido que ganhe o pleito. Entretanto, no início de abril, em conferência de imprensa na capital, Naypyidaw, um representante das autoridades militares, declarou que as eleições poderiam ser realizadas dentro de dois anos.

    O general disse que as autoridades vão finalizar a investigação das irregularidades nas eleições passadas até o fim de julho ou início de agosto e que, no momento, 90% dos casos já foram investigados. As novas eleições no país serão justas e todos os partidos poderão participar, se cumprirem as regras de registro.

    Conselheira de Estado de Mianmar Aung San Suu Kyi e presidente do país Win Myint saem, usando máscaras de proteção, depois da reunião do Comité Executivo Central na sede do partido Liga Nacional pela Democracia na capital Naypyidaw, Mianmar, 21 de julho de 2021
    © AP Photo / Aung Shine Oo
    Conselheira de Estado de Mianmar Aung San Suu Kyi e presidente do país Win Myint saem, usando máscaras de proteção, depois da reunião do Comité Executivo Central na sede do partido Liga Nacional pela Democracia na capital Naypyidaw, Mianmar, 21 de julho de 2021

    Hlaing lembrou que, desde o dia em que assumiram o poder, os militares disseram que, depois de tomar as medidas eleitorais necessárias, eles organizariam novas eleições justas. O general sublinhou que os militares não estão adiando a realização das eleições, mas que, além da investigação das irregularidades, é preciso também concluir o procedimento de entrega de documentos de identificação à população.

    "Foi por isso que houve falsificação. Dez milhões de falsificações. Entre eles estão quatro milhões de pessoas que não tinham documentos de identificação. Isso é uma falha por parte do governo. Foi o que dissemos, por isso agora temos que lidar com isso. Precisamos de um ano e meio, dezoito meses para emitir documentos de identificação", explicou o general.

    Quanto ao destino de Aung San Suu Kyi, secretária-geral da Liga Nacional pela Democracia, que foi presa em 1º de fevereiro pelos militares, o general Hlaing disse que o caso está entregue aos juízes, conforme a lei.

    "Eu não sou juiz. Não posso dizer o que vai acontecer. Não posso pedir nada sobre o que lhe vai acontecer. Isso cabe aos juízes de acordo com a lei. Seu caso está oficialmente aberto, tem advogados tanto do lado da promotoria, quanto do lado dela. Há um julgamento normal em andamento no tribunal e haverá uma decisão sobre ele. Não posso influenciá-lo de forma alguma", disse.

    Aung San Suu Kyi está enfrentando seis acusações. Cinco delas são de uso ilegal de dispositivos eletrônicos de comunicação, importados ilegalmente, e vários episódios de violação do estado de emergência devido à pandemia da COVID-19, na organização de eventos públicos durante a campanha eleitoral. Se for condenada, a ex-conselheira de Estado poderia ser condenada a até dois anos de prisão. Uma outra acusação é de violar a lei do segredo de Estado, que pode resultar em uma pena de até 14 anos de prisão.

    Mais:

    Embaixador de Mianmar na ONU pede que EUA 'assumam papel de liderança decisivo' no país asiático
    Ex-líder de Mianmar aparece em 1ª audiência desde o poder ser derrubado por militares
    EUA lançam nova rodada de sanções contra entidades e autoridades de Mianmar
    Queda de avião militar deixa pelo menos 12 mortos no centro de Mianmar (FOTOS)
    Tags:
    Mianmar, golpe, golpe militar, golpe de Estado, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar