18:21 30 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    6273
    Nos siga no

    As negociações foram paralisadas depois que o líder norte-coreano Kim Jong-un e o ex-presidente dos EUA, Donald Trump, não conseguiram chegar a um acordo sobre a flexibilização das sanções norte-americanas.

    O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Norte, Ri Son Gwon, rejeitou a oferta do enviado dos EUA para se encontrar "em qualquer lugar, a qualquer hora" depois que as negociações entre as duas nações foram paralisadas, afirma comunicado divulgado nesta quarta-feira (23) pela agência de notícias estatal norte-coreana KCNA.

    "Não estamos considerando sequer a possibilidade de qualquer contato com os EUA, muito menos tê-lo, o que não nos levaria a lugar nenhum, apenas ocupando um tempo precioso", lê-se na nota do chanceler.

    Os comentários do ministro seguem uma declaração semelhante de Kim Yo-jong, irmã mais nova do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, na terça-feira (22). Kim Yo-jong advertiu que as falsas expectativas dos EUA poderiam simplesmente "mergulhá-los em uma decepção maior".

    Embora o enviado especial do governo dos EUA na Coreia do Norte, Sung Kim, tenha expressado esperança de que Pyongyang responderia "positivamente" ao convite, a irmã do líder norte-coreano sugeriu que Washington poderia estar interpretando "a situação de forma a buscar conforto para si mesma".

    Presidente Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un reúnem-se na aldeia fronteiriça de Panmunjom da zona desmilitarizada, na fronteira intercoreana, 30 de junho de 2019. Donald Trump tornou-se o primeiro presidente norte-americano a pisar em território da Coreia do Norte
    © AP Photo / Susan Walsh
    Presidente Donald Trump e o líder norte-coreano Kim Jong-un reúnem-se na aldeia fronteiriça de Panmunjom da zona desmilitarizada, na fronteira intercoreana, 30 de junho de 2019. Donald Trump tornou-se o primeiro presidente norte-americano a pisar em território da Coreia do Norte

    Negociações nucleares

    Na segunda-feira (21), Sung disse que se ofereceu para se encontrar com autoridades de Pyongyang "em qualquer lugar, a qualquer hora" para reiniciar as negociações entre os dois países "sem pré-condições".

    No entanto, a observação do enviado de Washington foi acompanhada de um aviso de que, até que as negociações sejam retomadas, EUA continuarão a aplicar sanções à nação asiática.

    As negociações nucleares entre os EUA e a Coreia do Norte foram paralisadas depois que Kim Jong-un e o ex-presidente dos EUA, Donald Trump (2017-2021), não conseguiram chegar a um acordo sobre a flexibilização das sanções norte-americanas em troca do progresso de Pyongyang na desnuclearização.

    Mais:

    Kim Jong-un proíbe 'calça apertada' temendo influências capitalistas na Coreia do Norte, diz jornal
    Relatório: preferência sul-coreana por 'mais engajamento com Coreia do Norte' pode desagradar EUA
    Coreia do Norte pode se aproximar da Coreia do Sul para ouvir sobre política dos EUA, diz acadêmico
    Se reunindo em Pequim, China reafirma laço com Coreia do Norte diante da aliança EUA-Coreia do Sul
    Tags:
    Kim Yo-jong, Kim Jong-un, Donald Trump, arma nuclear, nuclear, Pyongyang, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar