17:01 28 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9403
    Nos siga no

    Representantes da China instaram a OTAN a observar o desenvolvimento chinês "racionalmente" e a "não usar os interesses e direitos legítimos de Pequim como desculpa para manipular a política do grupo".

    Nesta terça-feira (15), a missão chinesa na União Europeia acusou a OTAN de "criar conflitos" e de exagerar a suposta ameaça que o país asiático representaria, pouco depois de a Aliança Atlântica alertar que Pequim coloca "desafios" à segurança dos países-membros, informa a agência Reuters.

    Em uma declaração, os representantes chineses instaram a OTAN a observar o desenvolvimento da China "racionalmente" e a parar de exagerar "a teoria da ameaça chinesa", bem como a "não usar os interesses e direitos legítimos de Pequim como desculpa para manipular a política do grupo".

    Na segunda-feira (14), o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, afirmou que a aliança deveria "reforçar" sua estratégia para contra-atacar a ascensão da China, ressaltando que o desenvolvimento militar chinês, sua crescente influência e seu comportamento coercitivo colocam um "desafio sistêmico".

    Neste contexto, a missão chinesa assegura que a organização "caluniou" seu desenvolvimento pacífico, julgou mal a situação internacional e deu sinais de ter uma "mentalidade de Guerra Fria".

    "Não planejamos um 'desafio sistêmico', porém, se alguém quiser planejar um 'desafio sistêmico', não permaneceremos indiferentes", ressaltou a China, que assegura estar comprometida com o desenvolvimento pacífico.

    Mais:

    OTAN vê avanço da China como 'desafio global', diz Stoltenberg
    Reino Unido estaria com 'apetite' em se juntar à 'OTAN asiática' para conter China
    China diz ver mentalidade da Guerra Fria em nova estratégia da OTAN
    Tags:
    ameaça, OTAN, União Europeia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar