12:59 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5422
    Nos siga no

    Segundo vários especialistas, o arsenal nuclear da China é uma ameaça crescente para os EUA, não propriamente pelo seu tamanho, mas antes pelo risco de ocorrência de um acidente enquanto Washington e Pequim disputam por Taiwan e várias outras questões.

    "Se os riscos mudaram? Sim, existe uma relação mais competitiva entre os EUA e a China, e as chances de um conflito sobre Taiwan – embora eu não acredite que elas estejam altas agora – elas certamente aumentaram [...] Algo pode dar errado", disse Phillip Saunders, diretor do Centro de Estudos de Assuntos Militares Chineses da Universidade de Defesa Nacional, citado pelo South China Morning Post.

    Enquanto Moscou e Washington se enfrentaram por décadas na corrida às armas nucleares, tradicionalmente, a China foi ficando de lado na competição. Contudo, com seu crescimento militar, político e tecnológico, o gigante asiático acabou por alterar essa equação.

    Uma preocupação particular por parte dos EUA é que Pequim pode ser forçada a adotar uma política – defendida por alguns no Exército de Libertação Popular (ELP) da China – de utilizar suas armas ao primeiro sinal de um possível ataque, aumentando o risco de consequências indesejadas.

    Sabendo disso, há que ter em consideração o contexto geopolítico no qual a China se encontra, nomeadamente da postura mais dura da China sob o presidente Xi Jinping, das disputas territoriais com seus vizinhos, das alegadas repressões de Pequim em Hong Kong e Xinjiang e, por último, o fim dos limites não oficiais de mandatos, que podem fazer com que Xi Jinping continue liderando a nação por mais décadas, segundo a mídia.

    Apesar de sua política de não agressão – isto é, não ser o primeiro ator a atacar – Pequim evita total transparência relativamente a suas ambições nucleares, alimentando receios dos EUA e seus aliados tanto na região do Indo-Pacífico como no Ocidente.

    É neste aspeto que, segundo Caitlin Talmadge, professora associada de Estudos de Segurança na Escola de Serviços Estrangeiros da Universidade de Georgetown, "os EUA têm também um papel a desempenhar", disse ela citada na matéria.

    Encontrar maneiras criativas de cooperar, focando na gestão de crises e envolvendo Pequim nas discussões sobre controle de armas, teria muito mais potencial do que um confronto nuclear contínuo, afirmam especialistas no assunto.

    "Se contarmos com a defesa antimísseis como uma componente principal da maneira como vamos enfrentar a crescente ameaça chinesa, estaremos jogando para perder com uma economia que tem continuado superando nossa, e que tem capacidade para gastar consideravelmente mais em prioridades militares do que está fazendo atualmente", advertiu Christopher Twomey, professor associado da Escola de Pós-Graduação Naval, citado pelo South China Morning Post.

    O professor também acrescentou que "encontrar maneiras de reduzir a pressão nesse sentido deve ser uma alta prioridade". É importante referir que Twomey foi organizador de um diálogo nuclear não oficial entre os EUA e a China que foi suspenso durante os anos da presidência de Donald Trump.

    Mais:

    Biden incentiva G7 a rivalizar com China em grande plano de infraestrutura global
    Pentágono emite diretiva para acelerar contenção da China 'como principal desafio dos EUA'
    Premiê da Austrália busca jeito de 'reiniciar' diálogo com China
    Tags:
    ameaça, arsenal nuclear, conflito, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar