08:08 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1384
    Nos siga no

    Pequim afirmou que vai manter a colaboração com a Coreia do Norte e ajudar o país a enfrentar as pesadas sanções impostas pelo Ocidente, nomeadamente pelos EUA.

    Na quinta-feira (28), o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, se encontrou na capital chinesa com o novo embaixador da Coreia do Norte em Pequim, Ri Ryong Nam, reafirmando que as duas nações fortalecerão sua "amizade tradicional", informa o South China Morning Post.

    "A China está pronta para manter uma comunicação estratégica de alto nível com a Coreia do Norte, promover ativamente a cooperação pragmática em vários campos", declarou Wang, citado pela mídia chinesa.

    "O conselheiro de Estado e ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, se reuniu com o embaixador norte-coreano em Pequim, Ri Ryong-nam, no complexo diplomático de Diaoyutai na quinta-feira (28)."

    O mesmo acrescentou que a "China apoia firmemente a Coreia do Norte no desenvolvimento de sua economia e na melhoria da vida de seu povo, e está disposta a continuar fortalecendo a assistência à Coreia do Norte dentro de suas capacidades", citado na matéria.

    Apesar de ter suas reservas relativamente à política nuclear de Kim Jong-un, a China tem se mantido como principal aliado político e econômico de Pyongyang. Junto com a Rússia, o gigante asiático tem apelado repetidamente para que as sanções impostas a seu aliado sejam aliviadas, de acordo com o South China Morning Post.

    As declarações do chanceler chinês parecem coincidir com o momento em que se acredita que o gigante asiático se prepara para retomar os serviços ferroviários de carga com a Coreia do Norte, através da cidade de Dandong, na fronteira nordeste do país. Esta ligação de trem se encontra fechada desde janeiro de 2020 devido à pandemia da COVID-19.

    O fortalecimento dos laços entre Pequim e Pyongyang é uma ocasião de grande importância para a Coreia do Norte, tendo em conta sua situação geral bem como suas questões securitárias na península coreana.

    A reunião dos dois diplomatas tem lugar após o encontro do presidente dos EUA, Joe Biden, com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, na Casa Branca, como parte de seu esforço para construir uma frente unida com aliados contra as alegadas ameaças à segurança vindas da China e da Coreia do Norte.

    Mais:

    Xi Jinping acredita que a China terá a 'América nas mãos' antes de 2030, diz Biden
    China é instada a aumentar seu arsenal militar para conter ameaça marítima dos EUA, diz mídia
    Filipinas protestam contra 'presença ilegal' de embarcações da China perto de ilha disputada
    Tags:
    relações bilaterais, apoio, sanções, Coreia do Norte, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar