22:19 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5541
    Nos siga no

    China reforça amizade tradicional com a Coreia do Norte, dias após possíveis novos desafios de segurança serem concebidos através da união EUA-Coreia do Sul, que permitiu a Seul aumentar seu arsenal de mísseis.

    Na quinta-feira (28), o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, encontrou-se com o novo embaixador da Coreia do Norte na China, Ri Ryong Nam, em Pequim, onde reafirmou a posição da China de manter uma "comunicação estratégica de alto nível", de acordo com a agência chinesa Xinhuanet.

    "A China está pronta para manter uma comunicação estratégica de alto nível com a Coreia do Norte, promover ativamente a cooperação pragmática em vários campos" disse Wang citado pela mídia.

    A agência também noticia que as duas nações "fortalecerão a amizade tradicional e promoverão laços bilaterais", e que diálogos relativos à península coreana decorreram durante o encontro, com ambos os países "concordando em fortalecer a coordenação e a cooperação sobre esse tópico".

    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, se reuniu com o novo embaixador da República Popular Democrática da Coreia do Norte na China, Ri Ryong Nam, em Pequim, 27 de maio de 2021
    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e novo embaixador da Coreia do Norte na China, Ri Ryong Nam, em Pequim, China, 27 de maio de 2021

    A reunião acontece depois que o presidente dos EUA, Joe Biden, se encontrou com o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, na Casa Branca, como parte de seu esforço para construir uma frente unida com aliados contra ameaças à segurança representadas por países como a China e a Coreia do Norte.

    Washington e Seul concordaram em encerrar as diretrizes de mísseis bilaterais que há muito restringem o desenvolvimento de mísseis na Coreia do Sul a menos de 800 quilômetros. O fim dessa diretriz coloca as principais cidades chinesas sob o alcance de mísseis sul-coreanos, e aumenta a capacidade de Seul de atacar Pyongyang, segundo a Bloomberg.

    Policiais chineses em formação na Praça Tiananmen antes da conferência comemorativa do 70º aniversário da entrada da China na Guerra da Coreia de 1950-53, no Grande Salão do Povo em Pequim, 23 de outubro de 2020
    © AP Photo / Andy Wong
    Policiais chineses em formação na Praça Tiananmen antes da conferência comemorativa do 70º aniversário da entrada da China na Guerra da Coreia de 1950-53, no Grande Salão do Povo em Pequim, 23 de outubro de 2020

    A China, que lutou em nome da Coreia do Norte durante a Guerra da Coreia de 1950 a 1953, foi o maior benfeitor do país norte-corenano por décadas. Pequim descreveu o relacionamento entre as duas nações como "lábios e dentes".

    Até hoje, a a demanda chinesa é a parceira comercial e de segurança mais importante da Coreia do Norte, há anos fornecendo uma tábua de salvação que ajudou a manter a economia em dificuldades de seu vizinho à tona, segundo a mídia.

    Mais:

    Coreia do Sul usará inteligência artificial e drones para monitorar barcos chineses no mar Amarelo
    China diz não tolerar 'interferência externa' sobre Taiwan, após conversa entre EUA e Coreia do Sul
    Coreia do Norte pode se aproximar da Coreia do Sul para ouvir sobre política dos EUA, diz acadêmico
    Tags:
    Coreia do Sul, Seul, EUA, Coreia do Norte, Pequim, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar