22:41 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    5265
    Nos siga no

    A Guarda Costeira do Japão registrou a entrada de quatro navios chineses em suas águas territoriais perto das ilhas de Senkaku, sendo o 18º evento deste tipo desde o início do ano, segundo informou a NHK.

    Ao fim da tarde de segunda-feira (24), quatro embarcações da China entraram nas águas territoriais perto das ilhas de Senkaku, cujo nome chinês é Diaoyu. Dois deles tentaram se aproximar de um barco de pesca japonês, de acordo com a mídia.

    A Guarda Costeira revelou que este é 18º surgimento de navios chinês nas águas territoriais japoneses deste o início deste ano. A bordo de uma das embarcações foi visto um canhão automático.

    As ilhas Senkaku, ou Diaoyu, é um território em disputa entre a China e o Japão. O Japão afirma que o país ocupa a área desde 1895, enquanto Pequim lembra que em mapas japoneses de 1783 e 1785 as Diaoyu estavam marcadas como território chinês. Após a Segunda Guerra Mundial as ilhas estiveram sob controle dos EUA e foram entregues ao Japão em 1972.

    Taiwan e China acreditam que o Japão detém as ilhas ilegalmente. Tóquio considera que a China e Taiwan começaram a reivindicar as ilhas desde os anos 1970, quando foi revelado que suas águas são ricas em recursos minerais.

    A disputa se agravou após que em 2012 o governo japonês adquiriu de um proprietário privado três das cinco ilhas do arquipélago, tendo assim destacado seu status de território pertencente ao Japão.

    Mais:

    Escalada de tensão: Pequim diz lamentar 'declarações irresponsáveis' e 'calúnias' do Japão
    General norte-americano: enquanto EUA saem do Oriente Médio, China e Rússia podem vir
    Mostram compromisso em defender nossas terras, diz ministro do Japão em exercícios com EUA e França
    EUA apostam em drones espiões em meio à crescente tensão militar com China, segundo especialistas
    Tags:
    águas, disputa, ilha, mar, China, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar