20:44 20 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2915
    Nos siga no

    A 7ª Frota da Marinha dos EUA rejeitou relatos sobre a expulsão de seu destróier de mísseis guiados, USS Curtis Wilbur, das águas do mar do Sul da China, classificando-os de falsos.

    Segundo o comunicado de Tian Junli, porta-voz do Comando do Teatro Sul do Exército de Libertação Popular da China (ELP), o destróier em causa teria invadido as águas territoriais do gigante asiático nas ilhas Xisha, no mar do Sul da China, nesta quinta-feira (20).

    Tian chamou os EUA de "verdadeiros criadores de problemas" no mar do Sul da China, e afirmou que Pequim assegurará resolutamente sua soberania e segurança, bem como a paz e estabilidade da região.

    Ante tamanhas informações, a Marinha estadunidense argumentou que "o USS Curtis Wilbur não foi 'expulso' do território de nenhuma nação. O USS Curtis Wilbur conduziu sua FONOP [Operação de Liberdade de Navegação] em concordância com a lei internacional, prosseguindo com a condução de operações comuns em águas internacionais".

    A justificação das operações estadunidenses na região com base na lei internacional, por sua vez, é um dos argumentos mais contestados por Pequim, que reclama para si boa parte do território do mar do Sul da China.

    Já na terça-feira (18), a China contestou a passagem do destróier através do estreito de Taiwan, caracterizada pela Marinha dos EUA como uma "passagem de rotina".

    Mais:

    Biden: EUA devem defender regras marítimas de liberdade de navegação desafiadas por China e Rússia
    Nova 'base naval flutuante' dos EUA poderia aumentar tensão com Pequim no mar do Sul da China?
    EUA e UE contra China: ex-representante do Comércio dos EUA conta por que tal 'aliança' é improvável
    Tags:
    China, Exército Popular de Libertação (ELP), EUA, Marinha dos EUA, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar