21:27 23 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    272
    Nos siga no

    Segundo Charlene Barshefsky, ex-representante do Comércio dos EUA, será difícil para os EUA convencerem seus aliados europeus a se juntarem na totalidade em suas políticas contra China.

    Nesta quarta-feira (19), a ex-representante explicou que a causa de tal dificuldade seria o fato de ambos os atores terem interesses diferentes em relação ao gigante asiático, informa o South China Morning Post.

    De igual modo, "a Europa deve ter uma percepção da China distinta da dos EUA, e por isso, não terá muita facilidade em se juntar aos esforços norte-americanos para contenção chinesa", disse Barshefsky, citada pela mídia.

    Existem diversos fatores que explicam as relações entre a Europa e a China e, desse modo, sua influência nas relações Europa-EUA. Por exemplo, a Europa é bastante dependente da China em suas exportações, tanto que em 2020, Pequim se tornou seu principal parceiro econômico, destronando os EUA.

    Por outro lado, a ex-representante também sublinhou que nem sempre os Estados europeus concordam em sua totalidade com as políticas gerais da União Europeia (UE) relacionadas ao gigante asiático. Por essa razão, o continente fica desprovido de uma só voz quando o assunto é sua posição ante a China.

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acompanhado pelo Conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, fala com Yang Jiechi, diretor do Gabinete da Comissão Central de Relações Exteriores, e Wang Yi, ministro das Relações Exteriores, na sessão de abertura das conversações EUA-China no Captain Cook Hotel em Anchorage, Alasca, EUA, 18 de março de 2021
    © REUTERS / Frederic J. Brown
    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acompanhado pelo Conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, fala com Yang Jiechi, diretor do Gabinete da Comissão Central de Relações Exteriores, e Wang Yi, ministro das Relações Exteriores, na sessão de abertura das conversações EUA-China no Captain Cook Hotel em Anchorage, Alasca, EUA, 18 de março de 2021

    Contrariamente a Washington, "a Europa não vê um risco de segurança vindo de Pequim" e, de igual modo, o bloco "não está posicionado no Pacífico como estão os EUA", explicou Charlene Barshefsky, citada pelo South China Morning Post.

    Assim, a ex-representante entende que, provavelmente, a Europa procure estabelecer um "ato de equilíbrio", o que significa, nas palavras da própria Barshefsky, que "os EUA não vão ter tudo o que querem". Isto é, a Europa não lutará ao lado de Washington contra Pequim somente pelos interesses norte-americanos, principalmente, se a própria sair prejudicada.

    Contudo, mesmo procurando o equilíbrio entre as relações China-EUA, os líderes europeus se encontram diante de uma decisão difícil, na qual ou optam pelos seus interesses econômicos, ou escolham cumprir, de fato, suas obrigações na defesa dos direitos humanos, o que, em certa extensão, é um ponto controverso no seu diálogo com Pequim.

    Mais:

    Pequim acusa Washington de exagerar em fake news para encobrir 'crimes' norte-americanos
    China teria 'duplicado' exportações à Europa pela Rússia e Ásia antes do bloqueio no canal de Suez
    Blinken: se Rússia tomar medidas imprudentes contra interesses de EUA e aliados, Washington agirá
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar