00:29 21 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1410
    Nos siga no

    Evento militar deve durar uma semana e ocorre em meio a tensões crescentes entre a China e outros países da região, que acusam Pequim de se envolver em atividades militares agressivas em questões de soberania sobre ilhas.

    Soldados americanos, franceses e japoneses começaram seu primeiro exercício militar conjunto no sudoeste do Japão, com a Austrália também participando do exercício à medida que as tensões entre a China e outros países da região se intensificam.

    O evento, que deve ter duração de uma semana e decorrerá na região de Kyushu, terá exercícios aéreos, terrestres e marítimos entre as nações envolvidas. A Austrália enviou um navio de guerra para apoiar a operação envolvendo cerca de 300 soldados, caças, 10 navios de superfície e um submarino japonês.

    Espera-se que este seja o primeiro de vários exercícios militares conjuntos conduzidos pelo Japão na região. Um porta-aviões britânico e um navio de guerra alemão devem rumar para as águas do Indo-Pacífico no final de 2021.

    A atividade militar ocorre em meio a tensões crescentes entre a China e outros países da região, que acusam Pequim de se envolver em atividades militares agressivas para solidificar o controle dos mares da China Oriental e do Sul da China.

    Por outro lado, a China argumentou que a base para a "situação tensa" é a invasão militar dos EUA na área e sua decisão de fazer acusações "irracionais" sobre a atividade chinesa. Afirma que "riscos de instabilidade e segurança" vêm "principalmente de fora da região".

    Navio da Guarda Costeira da China navega perto das disputadas ilhas Senkaku/Diaoyu no mar da China Oriental, 6 de agosto de 2016
    © AP Photo / 11ª Sede Regional da Guarda Costeira do Japão
    Navio da guarda costeira da China navegando em águas disputadas com Japão

    Japão e China estão em uma disputa por um território conhecido como ilhas Senkaku por Tóquio e ilhas Diaoyu por Pequim. Nos últimos anos, a China impôs uma Zona de Identificação de Defesa Aérea sobre as ilhas e autorizou sua Guarda Costeira a usar força letal na área se navios violarem a "soberania nacional, direitos soberanos e jurisdição" de Pequim.

    A China argumentou que sua demarcação, que se estende por até dois mil quilômetros do continente chinês e cobre 90% da água disputada, dá a ela direitos históricos de controle da área, que é uma rota comercial chave para Pequim e outras nações.

    A decisão de Canberra de apoiar os exercícios militares conjuntos veio semanas depois que o secretário de Assuntos Internos australiano, Mike Pezzullo, advertiu que "os tambores da guerra batem" no mar do Sul da China, uma declaração apoiada pelos ministros dos Assuntos Internos e da Defesa do país.

    A China expressou o desejo de esfriar as tensões com a Austrália, dizendo no final de 2020 que deseja que as relações "voltem ao caminho certo o mais cedo possível".

    Mais:

    Mídia: Índia planeja espionar submarinos chineses nas ilhas Andaman e Nicobar com ajuda do Japão
    China lança relatório e site sobre ilhas disputadas e expõe 'conluio' entre Japão e EUA
    Ante ameaças de sanções, Austrália diz que 'soberania da China não é negociável'
    Tags:
    território, soberania, exercícios navais, exercício militar, França, Austrália, China, Japão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar