22:43 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    Mundo vs. pandemia do coronavírus no início de maio de 2021 (63)
    130
    Nos siga no

    A Índia anunciou nesta segunda-feira (3) que recrutará alunos do último ano das faculdades de medicina do país para atuarem no combate à COVID-19, em meio a um recorde de novas infecções e hospitais lotados.

    A decisão foi tomada pelo primeiro-ministro Narendra Modi em vista da "crescente necessidade de recursos humanos adequados para responder" ao coronavírus, enquanto o país luta para conter sua disseminação.

    "Também foi decidido permitir a implantação de estagiários de medicina nas funções de gestão da COVID-19 sob a supervisão de seu corpo docente, como parte da rotação de estágio. Os serviços de alunos de MBBS [Bacharelado em Medicina, Bacharelado em Cirurgia] de final de ano podem ser utilizados para fornecer serviços como teleconsulta e monitoramento de casos leves de COVID-19 após a devida orientação e sob supervisão do corpo docente. Isso reduzirá a carga de trabalho dos médicos existentes envolvidos em tarefas de combate da doença e dará impulso aos esforços de triagem", diz o comunicado do governo.

    Todos os indivíduos vinculados à medida serão vacinados contra a COVID-19 e "cobertos pelo Esquema de Seguro do Governo para trabalhadores de saúde envolvidos na luta contra a enfermidade", observou o comunicado.

    A Índia enfrenta um aumento sem precedentes nos casos de coronavírus, tornando-se no último domingo (2) o primeiro país do mundo a relatar mais de 400 mil novas infecções em um único dia.

    Tema:
    Mundo vs. pandemia do coronavírus no início de maio de 2021 (63)

    Mais:

    Xi Jinping oferece ajuda à Índia: 'A China está disposta a fortalecer a cooperação'
    Ao menos 18 morrem após incêndio em hospital em Bharuch, na Índia (FOTOS)
    Em meio ao pico da COVID-19, Índia recebe lote de 150 mil doses da Sputnik V (FOTOS)
    Tags:
    governo, COVID-19, pandemia, saúde, Índia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar