15:16 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 105
    Nos siga no

    Filipinas têm enfrentado escalada de tensões com China por desavenças em águas disputadas, mas sublinharam não querer arriscar "hostilidades indesejadas".

    O presidente filipino, Rodrigo Duterte, acredita que desafiar Pequim no mar do Sul da China apenas ocasionaria violência, e que confronto poderia acontecer somente se o gigante asiático extrair petróleo em águas disputadas, reporta a agência Bloomberg.

    Na segunda-feira (19), em uma breve coletiva de imprensa emitida em emissora nacional filipina, Duterte afirmou que apenas enviaria embarcações da Marinha filipina para águas contestadas se o gigante asiático fosse em busca de petróleo nas mesmas. "Se eles [chineses] pegarem petróleo, então seria a hora de agirmos", declarou o presidente filipino, acrescentando que "se formos assegurar nossa jurisdição, será [um conflito] sangrento", citado pela mídia.

    No entanto, Rodrigo Duterte afirmou que não estaria "muito interessado" nos recursos marinhos do mar do Sul da China. Nesse aspecto, comentou que daria à China "cinco embarcações da Guarda Costeira, e assim eles [chineses] poderiam persegui-las. Podem jogar uns contra os outros e ver quem é o mais rápido", citado pela Bloomberg.

    A escalada de tensões entre Manila e Pequim tem se estendido desde o estacionamento de mais de 200 embarcações chinesas em território marítimo disputado entre as duas nações. A China, por sua vez, defende seu direito de usar as águas em causa, reforçando que apenas estacionou suas embarcações na zona devido ao mau tempo.

    Mais:

    Corrida por ouro: China aprova entrada recorde de grandes quantidades do metal
    'Nunca deixaremos Taiwan obter a independência', afirma vice-chanceler chinês
    Novo navio anfíbio de Taiwan 'não assusta ninguém', diz especialista chinês
    Tags:
    petróleo, confrontação, Rodrigo Duterte, Mar do Sul da China, China, Filipinas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar