21:03 14 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    3711
    Nos siga no

    O presidente dos EUA e o premiê japonês também discutirão o tratamento dado por Pequim aos muçulmanos na região de Xinjiang e a influência chinesa sobre Hong Kong.

    O presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, vão apresentar um projeto de frente unida em Taiwan na reunião de cúpula desta sexta-feira (16), de acordo com um funcionário de alto escalão do governo dos EUA ouvido pela agência Reuters.

    A China considera Taiwan uma província independentista que deve ser reunificada com o continente, e as autoridades chinesas frequentemente protestam fortemente se alguém sugerir o contrário. Ainda assim, Biden e Suga devem chegar a um acordo sobre uma declaração conjunta na ilha, no primeiro encontro pessoal do presidente democrata com um líder estrangeiro.

    Biden e Suga também discutirão o tratamento dado por Pequim aos muçulmanos na região de Xinjiang e sua influência sobre Hong Kong, enquanto anunciam um investimento japonês de US$ 2 bilhões (aproximadamente R$ 11,2 bilhões) em projetos de telecomunicações 5G em conjunto com os EUA para combater a empresa chinesa Huawei.

    "Vocês viram uma série de declarações dos EUA e do Japão sobre as circunstâncias através do estreito em Taiwan, sobre nosso desejo de manter a paz e estabilidade, sobre a preservação do status quo, e espero que vocês verão tanto uma declaração formal quanto consultas sobre esses assuntos", disse o alto funcionário do governo norte-americano.

    Primeiro-ministro do Japão Yoshihide Suga
    © AFP 2021 / Yoshikazu Tsuno
    Primeiro-ministro do Japão Yoshihide Suga

    Aumentar pressão sobre China

    A última vez que os líderes norte-americanos e japoneses se referiram a Taiwan em uma declaração conjunta foi em 1969, quando o premiê japonês afirmou que a manutenção da paz e da segurança na "área de Taiwan" era importante para sua própria segurança. Isso foi antes de Tóquio normalizar os laços com Pequim.

    A medida agora visa aumentar a pressão sobre a China. No entanto, tal declaração parece provavelmente ficar aquém do que os EUA esperavam ver de Suga, que herdou uma política que buscava equilibrar as preocupações de segurança com laços econômicos profundos com a China quando assumiu o cargo de primeiro-ministro em setembro, afirma a mídia.

    Em uma declaração após uma reunião de março dos ministros da Defesa e das Relações Exteriores dos EUA e do Japão, os dois lados "ressaltaram a importância da paz e da estabilidade no estreito de Taiwan" e compartilharam "sérias preocupações" sobre os direitos humanos em Hong Kong e Xinjiang.

    Com sua primeira cúpula presencial com Suga e outra planejada com o líder da Coreia do Sul em maio, Biden está trabalhando para concentrar os recursos militares e diplomáticos dos EUA no Indo-Pacífico e administrar o crescente poder global da China, que Biden vê como uma questão crítica de política externa da época.

    A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, disse aos emissários que visitaram a ilha a pedido de Biden na quinta-feira (15) que Taipé trabalharia com os EUA para impedir ameaças de atividades militares chinesas.

    Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fala durante conferência virtual, em 12 de abril de 2021
    © REUTERS / Kevin Lamarque
    Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, fala durante conferência virtual, em 12 de abril de 2021

    Tensão Tóquio-Seul

    Biden espera energizar os esforços do Diálogo de Segurança Quadrilateral (Quad, na sigla em inglês), que conta com a participação dos EUA, Japão, Austrália e Índia e que visa, entre outras coisas, combater a expansão chinesa no Indo-Pacífico. Biden e Suga devem anunciar planos para a próxima reunião do Quad nesta sexta-feira (16).

    Embora a Coreia do Sul tenha recusado aderir ao grupo Quad recentemente, os EUA esperam contar em breve com a participação desse aliado e, de acordo com o funcionário do governo dos EUA ouvido pela Reuters, apresentar uma frente unida exigirá um ato de equilíbrio delicado, dados os laços econômicos do Japão e da Coreia do Sul com a China e as relações frias entre Seul e Tóquio.

    "É preocupante para nós, ao ponto de ser doloroso, ver as relações entre o Japão e a Coreia do Sul cair para o nível atual […]. As tensões políticas são tais que acreditamos que realmente impedem todas as nossas habilidades de sermos eficazes no nordeste da Ásia, e acho que o presidente [Biden] vai querer discutir isso em detalhes com o primeiro-ministro Suga", lamentou a fonte à mídia.

    As relações entre Tóquio e Seul se desgastaram por questões relacionadas à colonização da Coreia pelo Japão na primeira metade do século XX, incluindo a das mulheres sul-coreanas, que foram forçadas a trabalhar em bordéis japoneses durante a Segunda Guerra Mundial.

    Mais:

    EUA: China não tem interesse em acordos de controle de armas que restrinjam modernização
    EUA temem poder de China e Rússia e preveem protestos violentos na América Latina, diz relatório
    Orçamento bilionário de Biden para indústria de chips deixa Coreia do Sul dividida entre China e EUA
    Saída dos EUA do Afeganistão teria como meta liberar recursos para enfrentar China
    Tags:
    Taiwan, China, EUA, Japão, Coreia do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar