12:09 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    A China e os EUA devem intensificar intercomunicação enquanto gerenciam suas diferenças e respeitam interesses essenciais de cada um, diz premiê chinês a um grupo de executivos seniores dos EUA.

    Pequim espera que os Estados Unidos possam trabalhar com a China para "se encontrarem no meio do caminho", disse o premiê chinês Li Keqiang nesta terça-feira (13) em uma conferência virtual com presidentes e executivos de mais de 20 grandes empresas americanas.

    "[Precisamos] intensificar o diálogo e a comunicação e expandir a cooperação prática, gerenciar adequadamente as diferenças e impulsionar as relações sino-americanas na direção da estabilidade geral", disse Li, citado pela TV estatal.
    Premier chinês, Li Keqiang
    © Sputnik / Сергей Гунеев
    Premier chinês, Li Keqiang

    Os laços bilaterais caíram ao nível mais baixo em décadas sob o governo Trump, que acusou a China de cometer uma série de delitos, desde roubo de propriedade intelectual até a disseminação do novo coronavírus, de acordo com reportagem da Reuters.

    As negociações de alto nível no Alasca no mês passado, as primeiras desde que o presidente dos EUA Joe Biden assumiu o cargo, ainda não renderam nenhum avanço.

    A necessidade de comunicação ficou ainda mais evidente quando, nesta terça-feira (13), o órgão de planejamento chinês disse a representantes na China de mais de 40 empresas dos EUA, em uma mesa redonda, que acolheria com agrado o diálogo com empresas dos EUA sobre qualquer reclamação, incluindo transferências forçadas de tecnologia e direitos de propriedade intelectual.

    "Se você acredita que foi prejudicado ou intimidado na China, diga-nos primeiro", pediu Zhang Huanteng, vice-diretor do Departamento de Economia Nacional da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês).

    "Nos sentiríamos muito injustiçados se não estivéssemos cientes das coisas e o governo dos EUA nos dissesse primeiro", apontou Zhang, acrescentando que os reguladores chineses ficaram perplexos quando leram pela primeira vez o Relatório da Seção 301 dos EUA, que desencadeou a guerra comercial entre os dois países.

    Funcionários da NDRC também informaram as empresas presentes, incluindo Intel, Johnson & Johnson e IBM, sobre o plano de desenvolvimento da China para 2021-2025, dizendo que há um enorme potencial para colaborar em veículos elétricos, neutralidade de carbono e economia digital.

    "Esperamos que o círculo empresarial dos EUA possa trabalhar junto com a NDRC para empurrar o grande navio das relações sino-americanas de volta ao caminho do desenvolvimento saudável o mais rápido possível", disse Gao Jian, vice-diretor do Departamento Internacional da NDRC.

    Tao Lin, vice-presidente da Tesla, disse a repórteres que recebeu com agrado o convite da NDRC para mais diálogo. "Os funcionários do NDRC são bastante diretos – se tivermos qualquer problema, podemos conversar com eles, então não há necessidade de irmos para a sede nos EUA, governos estrangeiros e depois voltar para a China", disse ela.

    Mais:

    China insta que EUA 'não brinquem com fogo na questão de Taiwan'
    EUA enviam porta-aviões ao mar do Sul da China em meio a tensões entre Pequim e Manila
    Domínio aéreo: EUA revelam conceito de caça secreto de próxima geração (FOTO)
    China retruca acusações de Blinken sobre pandemia: 'Governo dos EUA fez o que precisava fazer?'
    Tags:
    conflito de interesses, interesse, parceria, diálogo, comunicação, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar