06:45 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    4161
    Nos siga no

    Em meio a tensões com vizinhos e com EUA no mar do Sul da China, na quinta-feira (8), Pequim retirou sedimentos de leito marinho localizado em águas disputadas.

    Cientistas chineses a bordo de uma embarcação de pesquisa marinha utilizaram o sistema de perfuração de fabricação nacional Sea Bull II (Touro do Mar II), capaz de perfurar até 2.060 metros de profundidade e obter sedimentos de cerca de 231 metros, reporta a agência Reuters.

    Este sistema é útil na procura de recursos de hidratos de gás natural no leito marinho, referidos como cristais idênticos a gelo resultantes de uma mistura de metano e água, e vistos como uma fonte de energia promissora.

    Até agora, segundo a mídia, ainda não é claro onde ocorreu a perfuração chinesa no mar do Sul da China, apesar de Pequim reclamar cerca de 90% do mar como suas águas territoriais. No entanto, Malásia, Filipinas, Taiwan, Vietnã e Brunei também reclamam partes do mar em questão como seus territórios marítimos.

    As tensões advindas de explorações marítimas no mar do Sul da China por Pequim já são recorrentes desde pelo menos 2014, quando a Corporação Nacional de Petróleo Offshore da China (CNOOC, na sigla em inglês) executou uma perfuração profunda em águas reclamadas pelo Vietnã.

    Destróier de mísseis guiados norte-americano USS John S.McCain, da classe Arleigh Burke, transita pelo mar do Sul da China realizando operação de rotina
    © Foto / Marinha dos EUA / Especialista em Comunicação de Massa da Primeira Classe Jeremy Graham
    Destróier de mísseis guiados norte-americano USS John S.McCain, da classe Arleigh Burke, transita pelo mar do Sul da China realizando operação de rotina

    Atualmente, as tensões seguem escalando vertiginosamente, especialmente com a presença da Marinha norte-americana na região que, por sua vez, se mantém do lado de Taiwan, uma nação insular que Pequim também caracteriza como parte de seu território.

    Na quinta-feira (8), Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, e Teodoro Locsin, secretário de Relações Exteriores das Filipinas, discutiram suas preocupações relacionadas às atividades chinesas no mar do Sul da China. No entanto, Blinken reafirmou que o Tratado de Defesa Mútua entre EUA e Filipinas também se aplica à região disputada em questão, informa a agência.

    Manila teme que a atitude de Pequim possa resultar em "hostilidades indesejadas", especialmente após a recente estadia de mais de 200 embarcações chinesas perto do recife de Whitsun – também em área disputada – apesar de Pequim ter afirmado que as mesmas apenas estariam no local se refugiando do mau tempo.

    Embarcações chinesas, supostamente controladas por milícias marítimas chinesas no recife de Whitsun, mar do Sul da China, 27 de março de 2021
    © REUTERS / Guarda Costeira das Filipinas
    Embarcações chinesas, supostamente controladas por milícias marítimas chinesas no recife de Whitsun, mar do Sul da China, 27 de março de 2021

    No entanto, também na quinta-feira (8), conforme relata a agência Bloomberg, Pequim enviou embarcações militares para perseguir um navio civil que estava transportando uma equipe de notícias filipina.

    A emissora filipina ABS-CBN acusou a Marinha do Exército de Libertação Popular (ELP) da China de ter enviado duas embarcações militares portadoras de mísseis para desviar a embarcação filipina dos recifes perto da província de Palawan. Trata-se da primeira vez que navios militares chineses foram registrados se movendo contra embarcações civis.

    Segundo a mídia, a embarcação com a equipe de notícias filipina foi perseguida por cerca de uma hora. O porta-voz do Departamento de Defesa Nacional das Filipinas, Arsenio Andolong, diz estar preocupado com a segurança em mar de qualquer civil que não esteja armado. Contudo, o departamento já direcionou as Forças Armadas para investigar o sucedido, e "o resultado será utilizado para coordenar qualquer ação apropriada", afirmou Andolong, citado pela mídia norte-americana.

    Mais:

    Governo Biden certifica que Hong Kong não deve obter status especial, seguindo política de Trump
    Após China enviar 4 caças à região, navio de guerra dos EUA navega no estreito de Taiwan (FOTOS)
    Após destróier dos EUA passar por Taiwan, China indaga chance de ter navio no golfo do México
    Tags:
    tensão geopolítica, gás natural, recursos naturais, disputa territorial, Mar do Sul da China, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar