14:10 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    31213
    Nos siga no

    Os EUA intensificaram ainda mais sua presença militar no mar do Sul da China ao enviarem, supostamente, um navio de assalto anfíbio às águas disputadas em meio ao aumento das tensões na região.

    Dados de satélite mostram que o navio de assalto anfíbio USS Makin Island viajou através do estreito de Malaca, principal ponto de passagem de embarcações na Ásia, para o mar do Sul da China de quarta-feira (7) para quinta-feira (8), afirma o jornal South China Morning Post, citando Iniciativa de Sondagem Estratégica do Mar do Sul da China (SCSPI, na sigla em inglês), um think tank associado à Universidade de Pequim.

    O navio de assalto anfíbio USS Makin Island teria realizado a travessia acompanhado do navio de transporte anfíbio USS San Diego, acrescentou o think tank.

    ​Marinheiros participam de um exercício de treinamento de fogo real a bordo do navio de assalto USS Makin Island (LHD 8). Letalidade. Indo-Pacífico livre e aberto

    Escalada de tensões

    A travessia dos navios de assalto anfíbios dos EUA ocorre em um momento em que Pequim e Washington navegam porta-aviões em diferentes frentes em águas vizinhas à China.

    Na segunda-feira (5), a China anunciou atividade de um grupo de porta-aviões perto de Taiwan, e, na quarta-feira (7), o destróier USS John S.McCain dos EUA navegou pelo estreito de Taiwan, que separa a ilha da China continental.

    Destróier de mísseis guiados norte-americano USS John S.McCain, da classe Arleigh Burke, transita pelo mar do Sul da China realizando operação de rotina
    © Foto / Marinha dos EUA / Especialista em Comunicação de Massa da Primeira Classe Jeremy Graham
    Destróier de mísseis guiados norte-americano USS John S.McCain, da classe Arleigh Burke, transita pelo mar do Sul da China realizando operação de rotina
    Na terça-feira (6) e na quarta-feira (7), o porta-aviões USS Theodore Roosevelt conduziu exercícios com a Malásia, e o porta-aviões chinês Liaoning se encaminhou para o estreito de Miyako, uma passagem de 250 quilômetros entre as ilhas japonesas de Okinawa e Miyako, para conduzir "exercícios programados" perto de Taiwan.

    Há ainda o aumento da presença da guarda costeira da China perto de ilhas no mar da China Oriental, que também são reivindicadas pelo Japão. Pequim reivindica as ilhas Diaoyu, que o Japão chama de ilhas Senkaku.

    O aprofundamento da disputa com as Filipinas sobre o recife de Whitsun em particular aumentou nos últimos dias, com Manila emitindo declarações com palavras fortes se opondo à presença do que as Filipinas dizem ser uma milícia marítima. Pequim afirmou que seus navios são barcos de pesca se protegendo contra o mau tempo e reiterou suas reivindicações sobre o recife.

    Satélite fotografa navios pesqueiros no recife de Whitsun, 23 de março de 2021
    © REUTERS / Maxar Technologies
    Satélite fotografa navios pesqueiros no recife de Whitsun, 23 de março de 2021

    Movimentações significativas

    Analistas dizem que a presença naval dos EUA em águas vizinhas à China é um sinal da administração do presidente norte-americano Joe Biden para seus aliados na região e para Pequim de que está comprometido em manter uma presença militar na região para conter a China.

    "Como as relações China-EUA estão relativamente tensas, os EUA estão colocando mais de sua capacidade militar perto da China […]. Sua transição para o mar do Sul da China e áreas do Pacífico ocidental em particular é uma situação normal", explica o especialista militar chinês Song Zhongping.

    De acordo com Collin Koh, pesquisador da Escola S. Rajaratnam de Estudos Internacionais em Singapura, citado pelo South China Morning Post, esta não foi a primeira vez que navios anfíbios dos EUA navegavam pelo mar do Sul da China, mas que foi significativo, dadas as atuais tensões nas águas.

    O comentarista militar Liang Guoliang disse à mídia: "O USS Makin Island vai mostrar a força da Marinha norte-americana. Eles vão dizer aos militares chineses que, embora Pequim tenha construído três pistas de pouso nas ilhas Spratly que podem acomodar todos os tipos de aviões de guerra, a Marinha dos EUA tem a capacidade de pouso nas ilhas mais poderosas do mundo para lidar com eles [os chineses]".

    Mais:

    FMI: China deve crescer 8,4% em 2021; já os EUA, 6,4%
    Após China enviar 4 caças à região, navio de guerra dos EUA navega no estreito de Taiwan (FOTOS)
    Exército chinês acusa EUA de prejudicarem estabilidade regional ao enviarem 'sinal errado'
    EUA colocam na lista negra 7 empresas da China por 'desestabilizar esforços de modernização militar'
    Tags:
    Filipinas, Estreito de Taiwan, Taiwan, Japão, EUA, China, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar