12:40 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)
    372
    Nos siga no

    A China instou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a respeitar a conclusão dos especialistas chineses e internacionais sobre as origens da COVID-19.

    A China respondeu nesta quarta-feira (31) às críticas feitas pelo diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, sobre a falta de acesso a dados referentes aos primeiros casos da pandemia no país.

    Pequim rechaçou as acusações, e disse que é preciso haver respeito aos cientistas que compuseram o estudo, escreve o jornal Global Times.

    "Nós precisamos respeitar a ciência e respeitar as opiniões e conclusões dos cientistas, disse Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

    Segundo a publicação, os observadores chineses veem a acusação como "presunção de culpa" e politicamente motivada. Se a investigação for politicamente orientada, não haverá nenhum resultado justo e científico, disseram os cientistas ouvidos pela reportagem.

    Especialistas da OMS chegam ao aeroporto de Wuhan, na província de Hubei, China, em 14 de janeiro de 2021. Equipe foi formada para investigar possíveis origens do novo coronavírus, identificado primeiramente nessa região.
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Especialistas da OMS chegam ao aeroporto de Wuhan, na província de Hubei, China, em 14 de janeiro de 2021. Equipe foi formada para investigar possíveis origens do novo coronavírus, identificado primeiramente nessa região

    O relatório da OMS foi escrito por uma missão conjunta de 17 especialistas chineses e 17 especialistas internacionais escolhidos pela própria entidade. O grupo passou 27 dias na cidade de Wuhan, na província central de Hubei, o marco zero da pandemia.

    As conclusões são alvo de uma série de críticas internacionais, em especial de potências ocidentais que acusam a China de controlar o processo.

    "Eles querem espalhar boatos e impulsionar sua agenda política", concluiu Hua Chunying.

    Tedros fez ressalvas não só sobre a qualidade dos dados, mas afirmou que nenhuma hipótese sobre a origem da pandemia pode ser descartada.

    Segundo a missão científica, a teoria mais provável é que o vírus tenha sido transmitido de morcegos para um animal intermediário, de onde o patógeno pulou para os humanos.

    Membros da equipe da Organização Mundial da Saúde se preparam para partir para um segundo dia de visita de campo em Wuhan, na China, no sábado, 30 de janeiro de 2021.
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Membros da equipe da Organização Mundial da Saúde se preparam para partir para um segundo dia de visita de campo em Wuhan, na China

    Tema:
    COVID-19 no mundo no final de março de 2021 (98)

    Mais:

    OMS iniciará em 22 de janeiro procedimento de pré-registro da Sputnik V, diz MRE russo
    OMS cobra medidas 'agressivas' do Brasil contra a COVID-19
    OMS diz que vantagens de vacina da AstraZeneca superam os riscos e recomenda continuar vacinação
    Tags:
    EUA, Pequim, COVID-19, Instituto de Produtos Biológicos de Wuhan, pandemia, OMS, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar