12:08 28 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    9662
    Nos siga no

    Neste sábado (27), o Ministério das Relações Exteriores da China anunciou introdução de sanções recíprocas contra pessoas e entidades dos EUA e Canadá.

    Nomeadamente, as novas restrições são dirigidas contra Gayle Manchin, o presidente da Comissão dos Estados Unidos para a Liberdade Religiosa Internacional, e Tony Perkins, o vice-presidente da organização.

    Já no Canadá os alvos sancionados são Michael Chong, legislador conservador da Câmara dos Comuns, e a Subcomissão dos Direitos Humanos da Comissão Permanente dos Assuntos Externos e Desenvolvimento Internacional da Câmara dos Comuns.

    Em comunicado de imprensa, a chancelaria chinesa indicou que as medidas foram tomadas em resposta à "imposição em 22 de março de sanções unilaterais pelos EUA e Canadá a indivíduos e entidades importantes em Xinjiang com base em rumores e desinformação".

    As restrições proíbem que as pessoas sancionadas entrem em território chinês, incluindo regiões autônomas de Hong Kong e Macau, além disso os cidadãos e as instituições chinesas são proibidos de fazerem negócios e ter intercâmbios com os referidos indivíduos e entidades.

    Os trabalhadores caminham pela cerca do perímetro do que é oficialmente conhecido como um centro de educação de habilidades vocacionais em Dabancheng, na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, China, 4 de setembro de 2018
    © REUTERS / Thomas Peter
    Os trabalhadores caminham pela cerca do perímetro do que é oficialmente conhecido como um centro de educação de habilidades vocacionais em Dabancheng, na Região Autônoma Uigur de Xinjiang, China, 4 de setembro de 2018

    Pequim confirmou ainda que "as sanções anteriores da China contra indivíduos dos EUA que comprometeram seriamente a soberania da China em questões relacionadas com Xinjiang permanecem" em vigor, instando os países envolvidos a "entender claramente a situação e corrigir seus erros" e a "parar com a manipulação política sobre questões relacionadas com Xinjiang" e a interferência nos assuntos internos da China.

    "Caso contrário, eles vão ficar com seus dedos queimados", adverte Pequim.

    Nesta semana EUA, Canadá, Reino Unido e a União Europeia introduziram restrições por supostas violações dos direitos humanos na região autônoma uigur de Xinjiang.

    Mais:

    Pequim avisa Aliança Cinco Olhos que uma China 'irritada' poderia ser 'difícil de lidar'
    China promete resposta 'justa e equitativa' às sanções dos EUA, Canadá e Reino Unido por Xinjiang
    Reino Unido convocará embaixador chinês para debater sanções por direitos humanos em Xinjiang
    Tags:
    EUA, Canadá, direitos humanos, Xinjiang, guerra de sanções, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar