23:14 29 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    7511
    Nos siga no

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acompanhado pelo secretário de Defesa, Lloyd Austin, encontrou com seus colegas sul-coreanos, o chanceler, Chung Eui-yong, e o ministro da Defesa, Suh Wook, nesta quinta (18) para discutirem cooperação quanto à política norte-coreana e revigorarem sua aliança.

    Os Estados Unidos confirmaram mais uma vez seu compromisso de desnuclearizar a península coreana e reduzir a ameaça apresentada pela Coreia do Norte, assim como exortaram a China para pressionar Pyongyang em "claro interesse próprio" utilizando suas "relações únicas", disse o chanceler norte-americano após negociações em formato 2+2 em Seul.

    A desnuclearização da península foi nomeada prioridade número um da aliança entre Seul e Washington. Os dois lados concordaram em continuar sua cooperação próxima na revisão da política norte-coreana.

    "Nós estamos comprometidos com a desnuclearização da Coreia do Norte, reduzindo uma ampla ameaça que [a Coreia do Norte] apresenta aos Estados Unidos, bem como para nossos aliados, melhorando a vida de todos os coreanos, incluindo o povo da Coreia do Norte, que continua sofrendo abusos amplificados e sistemáticos nas mãos do governo repressivo", disse Blinken.

    Ele notou também que, apesar de Washington olhar para "o consistente fracasso de Pequim em manter suas promessas", a China ainda desempenha papel crucial na resolução do assunto nuclear graças às suas relações "únicas" com Pyongyang.

    "Pequim tem o interesse, claro interesse próprio, em ajudar a conseguir a desnuclearização da Coreia do Norte. [O país] é uma fonte de instabilidade, é fonte de perigo e obviamente uma ameaça a nós e aos nossos parceiros, mas a China tem interesse real em ajudar a lidar com isso", apontou o secretário de Estado.

    Além disso, Washington também avaliou uma cooperação trilateral entre os EUA, Coreia do Sul e Japão, com Blinken ressaltando a importância desta diante dos países que os Estados Unidos consideram uma ameaça crescente, a Coreia do Norte e a China.

    Anteriormente, ainda no dia de hoje (18), a vice-chanceler norte-coreana Choe Son-hui disse que vai continuar ignorando qualquer contato com os Estados Unidos enquanto houver "política hostil" de Washington em relação à Pyongyang.

    Blinken e Austin chegaram a Seul na quarta-feira (17), após visita de três dias ao Japão, pondo fim à campanha de uma semana destinada para destacar os esforços da administração Biden em fortalecer relações com seus aliados e parceiros na Ásia. Na tarde de hoje, Blinken se encontrará com o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, para o primeiro encontro cara a cara com seus homólogos chineses em Anchorage, Alasca.

    Mais:

    Oficial americano caracteriza Coreia do Norte como 'ameaça mais imediata' aos EUA
    Mídia: EUA tentam desde fevereiro estabelecer contato com Coreia do Norte, mas o país não responde
    Coreia do Norte adverte EUA a não espalharem 'cheiro' de pólvora se quiserem 'dormir em paz'
    Tags:
    armas nucleares, EUA, Coreia do Norte, Antony Blinken
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar