15:36 21 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    126
    Nos siga no

    Braço das Nações Unidas responsável pelos direitos humanos divulgou nota sobre a situação em Mianmar. ONU também fez apelo para que junta militar pare de matar e prender manifestantes.

    De acordo com informações da ONU publicadas em uma rede social nesta terça-feira (16), ao menos 149 pessoas morreram em Mianmar desde o golpe de Estado no início de fevereiro.

    Mianmar: o número de mortos está aumentando - 68 pessoas mortas desde sábado [13] - e as prisões arbitrárias continuam. Estamos profundamente preocupados com a intensificação da repressão e conclamamos os militares a pararem de matar e deter os manifestantes.

    A publicação foi feita pelo escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas. A agência denunciou ainda centenas de desaparecimentos, prisões arbitrárias e torturas.

    Ainda segundo a ONU, 37 jornalistas foram presos no país, incluindo 19 que permanecem detidos. A agência concluiu o comunicado afirmando que foram confirmadas 39 mortes no domingo (14), dia mais letal desde o golpe, e mais 11 na segunda-feira (15).

    O golpe em Mianmar

    Alegando fraude nas eleições, generais derrubaram, no dia 1º de fevereiro, o governo de Mianmar e prenderam a líder do país, Aung San Suu Kyi, e o presidente Win Myint, além de outros políticos locais. O golpe pôs fim a seis anos de uma experiência democrática após mais de cinco décadas de ditadura militar.

    • Manifestante é detida durante protestos contra o golpe militar em Yangon, Mianmar, 27 de fevereiro de 2021
      Manifestante é detida durante protestos contra o golpe militar em Yangon, Mianmar, 27 de fevereiro de 2021
      © REUTERS / Stringer
    • Policiais militares atiram gás lacrimogêneo e bombas de borracha contra manifestantes na cidade de Yangon, em Mianmar.
      Policiais militares atiram gás lacrimogêneo e bombas de borracha contra manifestantes na cidade de Yangon, em Mianmar.
      © REUTERS / Stringer
    • Manifestante ferido é carregado durante protesto na cidade de Dawei, em Mianmar.
      Manifestante ferido é carregado durante protesto na cidade de Dawei, em Mianmar.
      © REUTERS / Dawei Watch
    • Manifestantes seguram munição letal usada por forças de segurança durante protesto em Mianmar.
      Manifestantes seguram munição letal usada por forças de segurança durante protesto em Mianmar.
      © REUTERS / Stringer
    • orças militares de Mianmar botaram blindados nas ruas para reprimir manifestações em Yangon, no dia 14 de fevereiro de 2021.
      Forças militares de Mianmar botaram blindados nas ruas para reprimir manifestações no país
      © AFP 2021 / Thet Htoo
    • Manifestante durante protesto contra o golpe militar em Yangon, Mianmar, 17 de fevereiro de 2021
      Manifestante durante protesto contra o golpe militar em Yangon, Mianmar, 17 de fevereiro de 2021
      © REUTERS / Stringer
    1 / 6
    © REUTERS / Stringer
    Manifestante é detida durante protestos contra o golpe militar em Yangon, Mianmar, 27 de fevereiro de 2021

    Mais:

    EUA adotarão novas medidas contra Mianmar
    Relatórios dizem que 33 manifestantes foram mortos em Mianmar nesta quarta-feira (3)
    Mianmar: ONU confirma 54 assassinatos e 1.700 detenções arbitrárias desde fevereiro
    Tags:
    ONU, direitos civis, direitos humanos, mortes, golpe militar, Mianmar, Exército de Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar