23:16 10 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 43
    Nos siga no

    Índia e China retiraram maquinário pesado e algumas estruturas permanentes erguidas ao longo da Linha de Controle Real (LAC, na sigla em inglês) durante o impasse em Ladakh desde 10 de fevereiro, mas a região continuará sendo um ponto sensível, afirma contra-almirante norte-americano.

    O contra-almirante Michael Studeman, diretor de inteligência do Comando Indo-Pacífico dos EUA (USINDOPACOM, na sigla em inglês) afirmou que a região de Ladakh ainda é um ponto sensível entre a Índia e a China. No entanto, ele concordou que a probabilidade de confrontos graves entre os dois países diminuiu, e o processo de desengajamento contínuo na área marca, por enquanto, uma redução das tensões.

    "A retirada de equipamento pesado ainda não alivia a desconfiança estratégica que surgiu, e a área continuará sendo um ponto sensível entre as duas potências nucleares [Índia e China]", disse Studeman, discursando na conferência TechNet Indo-Pacific da Associação de Comunicações e Eletrônica das Forças Armadas (AFCEA, na sigla em inglês) na terça-feira (2).

    Studeman alertou aos países que o mundo não pode mais se esconder das ramificações de uma China "ainda mais ambiciosa e agressiva".

    "Temos uma amostra do que significa ser liderado ou profundamente influenciado pela China", disse o diretor.

    A Índia se tornou mais receptiva a trabalhar com o Comando Indo-Pacífico, especialmente no compartilhamento de informações, enfatizou Studeman.

    "É importante que tenhamos ferramentas de compartilhamento seguras e confiáveis, as quais possamos fornecer. Temos um serviço de inteligência bom nos EUA, outras nações não. Por isso, temos a obrigação de informá-los e adverti-los", declarou o diretor.

    Além disso, Studeman acrescentou que não espera que a estratégia indo-pacífica mude sob a administração de Joe Biden.

    Foto mostra processo de retirada do Exército da Índia e Exército de Libertação Popular da China da área em disputa, região de Ladakh, 16 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Exército da Índia
    Foto mostra processo de retirada do Exército da Índia e Exército de Libertação Popular da China da área em disputa, região de Ladakh, 16 de fevereiro de 2021

    O Comando Indo-Pacífico dos Estados Unidos é um dos seis comandos combatentes geograficamente definidos pelo Plano de Comando Unificado do Departamento de Defesa norte-americano.

    O Exército indiano e o Exército de Libertação Popular da China (ELP) estacionaram mais de 50 mil tropas adicionais cada um em vários pontos de fricção ao longo da Linha de Controle Real livremente demarcada na região oriental de Ladakh, após o surgimento de um grande impasse sobre a infraestrutura da fronteira.

    O impasse começou em abril de 2020 perto de Pangong Tso, que fica entre a Índia e o Tibete, e se transformou em um conflito violento em 15-16 de julho, quando 20 soldados indianos e quatro soldados chineses foram mortos.

    Mais:

    Militares dos EUA pedem US$ 27 bilhões ao Congresso em armamentos para conter avanço da China
    Índia anuncia expedição de montanhismo para conter 'descarada política expansionista da China'
    EUA poderiam negar para China acesso à tecnologia essencial para fabricação de chips
    Resposta à Pequim: Taiwan inicia testes de mísseis após China começar mês de exercícios militares
    Filipinas assinam acordo de compra de mísseis de cruzeiro supersônicos russo-indianos BrahMos
    Tags:
    fronteira, Exército, China, Índia, Estados Unidos, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar