04:33 11 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    161
    Nos siga no

    Índia e Paquistão anunciaram cumprimento do cessar-fogo na Linha de Controle e em outros setores. Khalid Shah, membro associado da Fundação de Observação e Pesquisa, da Índia, falou com a Sputnik sobre o anúncio repentino, o primeiro em conjunto em mais de oito anos.

    Índia e Paquistão surpreenderam seus próprios cidadãos e especialistas na semana passada, quando iniciaram uma conversa que estava paralisada desde 2016, após uma série de ataques terroristas a campos militares na Caxemira. O anúncio, apoiado por algumas conversas secretas entre altos funcionários dos dois países, veio após uma série de vibrações positivas enviadas pelo chefe das Forças Armadas do Paquistão, general Qamar Javed Bajwa, e pelo primeiro-ministro Imran Khan, recentemente em relação à Índia.

    Khalid Shah, membro associado da Fundação de Observação e Pesquisa, em Srinagar, na Índia, que acompanha o conflito da Caxemira e a região, falou à Sputnik sobre o anúncio feito pelas duas nações movidas à energia nuclear e seu impacto na Caxemira.

    Shah acredita que uma das razões por trás do anúncio repentino da estrita implementação do acordo de cessar-fogo entre a Índia e o Paquistão seja a ameaça de um cenário de guerra em duas frentes. O analista acredita que a Índia está aliviando as tensões nas fronteiras oriental e ocidental para garantir que um conflito não estoure. Mais ainda, para ele, a Índia estaria reorganizando sua postura militar e movendo forças de ataque que estavam enfrentando o Paquistão na frente ocidental e, assim, estaria ganhando tempo para reestruturar e modernizar suas forças de defesa.

    Mapa mostrando Caxemira enquanto parte do Paquistão
    Mapa mostrando Caxemira enquanto parte do Paquistão

    Em contrapartida, Khalid Shah não acredita que o Paquistão deixou de apoiar grupos terroristas e organizações militantes e separatistas envolvidas na separação da Caxemira. "O apoio a esses grupos é uma estratégia de longo prazo do Exército paquistanês e não vai acabar logo", afirma. A visão do especialista é de que tenha havido apenas uma mudança tática para que esses grupos se escondam ou parem de conduzir ataques na Caxemira.

    "Com o apoio do Paquistão, esses grupos [terroristas] continuam florescendo. Se o financiamento for cortado, existe a possibilidade de que a militância de baixo nível, conduzida e apoiada localmente, continue na Caxemira", ressaltou.

    Questionado pela Sputnik sobre um possível diálogo de liderança sobre a questão da Caxemira em um futuro próximo, Khalid Shah foi enfático: "Não vejo um engajamento de nível político na Caxemira ou em qualquer outra questão indo-paquistanesa no horizonte. Será necessária muita confiança para os dois primeiros-ministros se sentarem à mesa."

    Shah é pessimista e não vê as recentes demandas de trabalhos de desenvolvimento e oportunidades de emprego como solução para a violência na região. "Vimos um grande número de recrutas militantes da Caxemira vindo de famílias abastadas. É necessário abordar a causa-raiz do conflito, que certamente não é a pobreza ou a falta de desenvolvimento", explica.

    O governo do primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, tem enfrentado pressão da China para atingir paz com a Índia em uma tentativa de garantir o Corredor Econômico entre China e Paquistão. Para Khalid Shah, Pequim é uma terceira parte na disputa da Caxemira.

    Em uma visão estrategista, Shah compara que a China prefere "se juntar à mesa como um terceiro ou jogar sua carta através do Paquistão". Para o especialista, Pequim, ao contrário de Washington, é mais relevante para a Caxemira, principalmente no contexto do Corredor Econômico entre a China e o Paquistão e de outros interesses chineses na região. "Minha sensação é que Pequim continuará apoiando o esforço do Paquistão enquanto isso for adequado aos interesses da China na região", concluiu.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Após invasão falha na Caxemira, Índia e Paquistão trocam tiros na fronteira com 'baixas' de civis
    Pentágono publica mapa controverso com Caxemira como Estado independente (FOTO)
    Paquistão acusa Índia de bombardear civis em festa de casamento em Jammu e Caxemira
    Tags:
    cessar-fogo, Índia, China, Paquistão, Jammu e Caxemira, Caxemira
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar