20:15 31 Julho 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1261
    Nos siga no

    Além do treinamento com a Marinha singapuriana, Pequim vai realizar exercícios com cerca de três mil soldados chineses e cambojanos no próximo mês, segundo mídia.

    Nesta quarta-feira (24), China e Singapura deram início a uma série de exercícios navais que, segundo o Ministério da Defesa chinês, tem como objetivo simulações de busca e resgate conjuntos, assim como prática de comunicação marítima, de acordo com o South China Morning Post.

    A simulação faz parte de um acordo de 2019 para aprofundar os laços militares entre os dois países, que realizaram treinamentos navais conjuntos pela última vez em 2016. O acordo inclui mais diálogo de alto nível, intercâmbios acadêmicos, bem como um aumento na escala dos exercícios bilaterais existentes.

    "Este exercício é um consenso alcançado pelas duas Marinhas, com o objetivo de aumentar a confiança mútua, aprofundar a amizade, promover a cooperação e promover conjuntamente a construção de uma comunidade marítima com um futuro compartilhado", disse Gao Xiucheng, porta-voz da Marinha da China citado pela mídia.

    Pequim vem aumentando seus laços de defesa com seus vizinhos em resposta à intensificação da liberdade de operações de navegação pelos EUA no mar do Sul da China. Outro treinamento envolvendo cerca de três mil soldados cambojanos e chineses com munição viva durante duas semanas acontecerá no próximo mês, segundo a mídia.

    Para o analista de segurança marítima da Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam de Singapura, Collin Koh, a China vem persistindo em consolidar exercícios militares com países no entorno para cada vez mais se fortificar diante da ameaça norte-americana, mas a pandemia do coronavírus está sendo um grande impeditivo para tal.

    "Mesmo que a China esteja interessada em se envolver em uma diplomacia de defesa mais intensa, os parceiros do Sudeste Asiático têm que estar igualmente dispostos e entusiasmados com isso. Grande parte da atenção dos governos tem estado no controle da pandemia [...], o que consequentemente reduziu seu envolvimento em diplomacias de defesa", disse Koh citado pela mídia.

    O analista adiciona que o último exercício entre a China e Singapura cobriu apenas os elementos básicos comuns em exercícios como dos EUA e outros parceiros, como a Tailândia, mas era um sinal de que Pequim estava consolidando seus laços militares de defesa com o Sudeste Asiático.

    Mais:

    Mar do Sul da China: embarcações chinesas recebem aviso ao se aproximarem de barco pesqueiro japonês
    Força Aérea de Taiwan entra em ação após manobras militares chinesas no mar do Sul da China
    Bombardeiros chineses praticam ataque marítimo em meio a tensões no mar do Sul da China
    Tags:
    China, Singapura, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar