06:26 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    372
    Nos siga no

    A China condena o apelo do parlamento do Canadá ao governo do premiê Justin Trudeau para declarar as ações de Pequim com os uigures na província de Xinjiang como genocídio, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin.

    A Câmara dos Comuns do Canadá, o parlamento canadense, aprovou a moção por unanimidade com 266 votos a favor, na segunda-feira (22). O ministro das Relações Exteriores do país, Marc Garneau, se absteve em nome do governo. O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau e mais de 60 membros do Partido Liberal, do governo, não compareceram à votação.

    "Em total desconsideração dos fatos e do bom senso, a moção relacionada a Xinjiang aprovada pela Câmara dos Comuns do Canadá deliberadamente difamou a China e violou gravemente a lei internacional e as normas básicas que regem as relações internacionais, além de interferir grosseiramente nos assuntos internos da China. O lado chinês condena veementemente e se opõe firmemente a isso e apresentou representações solenes junto ao lado canadense", disse Wenbin durante coletiva de imprensa, na terça-feira (23).

    Wenbin enfatizou que as atividades da China que estão no centro da crítica do Ocidente são parte de programas contra a radicalização, conduzidos de acordo com as normas e padrões da Organização das Nações Unidas (ONU). Wenbin acrescentou que qualquer atividade na província de Xianjing é assunto soberano da China e pediu ao lado canadense que não interfira.

    Presidente chinês, Xi Jinping aparece em tela em Hotan, na região ocidental de Xinjiang
    © AP Photo / Ng Han Guan
    Presidente chinês, Xi Jinping aparece em tela em Hotan, na região ocidental de Xinjiang

    Apesar do apoio parlamentar esmagador, a dificuldade em fazer cumprir a moção, além dos comentários anteriores de Trudeau, sugerem que uma ação rápida sobre a moção é improvável. Trudeau já advertiu contra o uso da palavra "genocídio", dizendo que este é um termo guiado por diretrizes internacionais estritas e que o uso indevido enfraqueceria a designação.

    Após a votação, o chanceler canadense Garneau disse que o Canadá leva muito a sério as alegações de genocídio, mas pediu uma investigação internacional sobre o assunto.

    Mais:

    Detenção de executiva da Huawei no Canadá é 'grave incidente político', diz embaixada da China
    Navio de guerra do Canadá navega pelo estreito de Taiwan em meio a tensões com China
    Diretor de inteligência do Canadá vê China e Rússia como principais ameaças estratégicas ao país
    Tags:
    Justin Trudeau, Canadá, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar