05:56 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 23
    Nos siga no

    O G7 condenou nesta terça-feira (23) os militares de Mianmar por responderem "com violência" aos protestos pacíficos que ocorrem contra o golpe de Estado no país.

    O grupo formado por Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos se manifestou por meio de uma declaração em que reprovam a opressão contra os manifestantes.

    "Qualquer pessoa que responda a protestos pacíficos com violência deve ser responsabilizada. Condenamos a intimidação e a opressão daqueles que se opõem ao golpe", disse o G7, em comunicado.

    Em Mianmar, a junta militar aumenta gradualmente o uso da força contra as manifestações pacíficas que pedem pelo retorno da líder deposta Aung San Suu Kyi.

    Três manifestantes foram mortos durante os protestos. Um homem que patrulhava seu bairro na cidade Yangon contra prisões noturnas também foi morto a tiros, segundo a AFP.

    Os Estados Unidos adotaram sanções contra autoridades militares de Mianmar: o chefe da força aérea Maung Maung Kyaw e o tenente-general Moe Myint Tun. Washington já havia anunciado sanções direcionadas contra outros generais do país no início deste mês.

    A União Europeia (UE) também aprovou sanções visando os militares de Mianmar e seus interesses econômicos. O chefe de política externa da UE, Josep Borrell, disse que o apoio financeiro aos programas de reforma do governo estava sendo "retido".

    Manifestantes se reúnem na maior cidade de Mianmar, Yangon, em 17 de fevereiro de 2021
    © REUTERS / Stringer
    Manifestantes se reúnem na maior cidade de Mianmar, Yangon, em 17 de fevereiro de 2021

    Mais de 680 pessoas foram presas em Mianmar desde o golpe de 1º de fevereiro, de acordo com o grupo de monitoramento da Associação de Assistência para Presos Políticos. A maior parte delas segue atrás das grades.

    O desligamento noturno da Internet também se tornou rotina no país, alimentando o temor de prisões de manifestantes durante os apagões.

    Suu Kyi não foi vista desde que foi detida pelos militares. Ela é alvo de duas acusações da junta militar, uma delas por possuir comunicadores via rádio não registrados. A audiência da líder deposta está prevista para 1º de março.

    Mais:

    Biden anuncia sanções dos EUA contra líderes militares de Mianmar
    Assessor de Suu Kyi é detido em nova onda de prisões em Mianmar
    Conselho de Direitos Humanos da ONU pede o fim do estado de emergência em Mianmar
    Canadá impõe sanções contra 9 militares de Mianmar
    Tags:
    sanções, G7, golpe, Exército de Mianmar, Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar