01:19 07 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    132
    Nos siga no

    Na segunda-feira (1º), militares mianmarenses detiveram a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi, o presidente Win Myint, e outros líderes do país.

    Os generais de Mianmar ordenaram que os provedores de Internet restringissem o acesso ao Facebook nesta quinta-feira (4). A informação foi confirmada pela Telenor, uma das principais provedoras de telecomunicações do país, que disse que as autoridades ordenaram que a empresa "bloqueie temporariamente" o acesso ao Facebook.

    A empresa norueguesa afirmou que tinha de cumprir, mas "não acredita que o pedido se baseie na necessidade e na proporcionalidade, de acordo com o direito internacional dos direitos humanos", reporta a agência AFP.

    O Facebook confirmou que o acesso "está atualmente interrompido para algumas pessoas" e pediu às autoridades que restaurassem a conectividade. O NetBlocks, que monitora interrupções na Internet em todo o mundo, disse que as interrupções também afetaram aplicativos de propriedade do Facebook, como Instagram e WhatsApp.

    Saudação de Jogos Vorazes, com três dedos levantados, é usada por manifestantes para protestar contra o golpe militar em Mianmar. Foto tirada no Hospital Geral de Yangon, no dia 3 de fevereiro de 2021.
    © REUTERS / Stringer
    Saudação de Jogos Vorazes, com três dedos levantados, é usada por manifestantes para protestar contra o golpe militar em Mianmar

    O Ministério das Comunicações e Informação comunicou horas depois que o Facebook, usado por metade dos mais de 53 milhões de habitantes de Mianmar, seria bloqueado até 7 de fevereiro porque os usuários estavam "espalhando notícias falsas e desinformação e causando mal-entendidos", reporta a AFP.

    Algumas pessoas usaram VPNs para evitar o bloqueio. O Twitter, que não foi bloqueado, teve um aumento de novos usuários. #CivilDisobedienceMovement foi a hashtag mais popular no país, com #JusticeForMyanmar logo atrás. Um pequeno protesto realizado nesta quinta-feira (4) teve manifestantes carregando cartazes que diziam "Protesto popular contra o golpe militar!". A mídia local disse que a polícia prendeu quatro pessoas.

    "Temos poder digital [...] então temos usado isso desde o primeiro dia para nos opor à junta militar", explicou à AFP o ativista Thinzar Shunlei Yi, que está por trás do Movimento de Desobediência Civil que se espalha pelas plataformas de mídia social.

    ONU se pronuncia

    O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou na quarta-feira (3) que faria o que estivesse ao seu alcance para mobilizar os atores-chave da comunidade internacional para colocar pressão suficiente sobre Mianmar para garantir que o golpe militar da última segunda-feira (1º) fracasse.

    "Depois de eleições que acredito terem transcorrido normalmente, e após um grande período de transição, é absolutamente inaceitável mudar os resultados das eleições e a vontade do povo", disse Guterres em entrevista ao jornal Washington Post.

    O secretário-geral da ONU concluiu afirmando que espera "que a democracia possa avançar novamente em Mianmar, mas para isso todos os prisioneiros devem ser libertados e a ordem constitucional deve ser restaurada".

    Secretário-geral da ONU, António Guterres
    © AP Photo / Khalil Senosi
    Secretário-geral da ONU, António Guterres

    Golpe militar

    Na manhã de segunda-feira (1º), os militares mianmarenses detiveram a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi, o presidente Win Myint, e outros líderes do país. A Liga Nacional para a Democracia (LND) estava no comando do país após ter saído vitoriosa das eleições de 8 de novembro, a segunda votação em Mianmar desde o fim do regime militar em 2011.

    Os militares de Mianmar acusaram o governo de conduzir as eleições de forma fraudulenta e já haviam prometido "agir" na semana passada. Após deter líderes da LND, o Exército decretou estado de emergência em Mianmar. As Forças Armadas devem assumir o controle do país por um ano e a presidência interina ficará a cargo do comandante Min Aung Hlaing.

    Mais:

    Vice-presidente do TSE, Fachin divulga nota criticando golpe em Mianmar
    FMI teria enviado US$ 350 milhões em dinheiro para Mianmar dias antes do golpe militar
    Mianmar: polícia acusa Suu Kyi de posse ilegal de equipamentos de rádio
    A vida imita a arte: gesto de Jogos Vorazes é usado por manifestantes de Mianmar (FOTOS)
    Tags:
    Aung San Suu Kyi, golpe militar, ONU, Facebook, Mianmar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar