00:28 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    380
    Nos siga no

    As autoridades da China não emitiram nenhuma palavra sobre a situação do ativista de direitos legais Guo Feixiong depois que ele foi impedido de deixar o país na semana passada.

    O ativista queria se juntar a sua família nos Estados Unidos, disse sua irmã, Yang Maoping, nesta terça-feira (2), segundo publicou a AP.

    Yang disse não ter recebido nenhuma palavra de Guo ou informações da polícia, já que ele teria sido detido no aeroporto Pudong de Xangai na quinta-feira (28) enquanto tentava embarcar em um voo para os EUA.

    Guo mandou uma mensagem a amigos que faria greve de fome, a menos que fosse autorizado a deixar o país para ficar com sua esposa, que está em tratamento de câncer.

    "Fui informado de que não posso deixar o país porque sou suspeito de colocar em risco a segurança do Estado e outras acusações semelhantes. Agora vou entrar em greve de fome por tempo indeterminado e apelar ao povo da China e aos governos e pessoas de todo o mundo para que ofereçam ajuda", disse Guo em um texto enviado a amigos e repassado a jornalistas.

    Como advogado, Guo representava os críticos do governo e tinha sido aprisionado por mais de dez anos sob as leis de segurança do Estado da China, vagamente definidas. O Partido Comunista governante frequentemente usa proibições de viagens para punir aqueles que o contestam, muitas vezes como uma antecipação a um processo e longas penas de prisão.

    Yang disse que a preocupação de Guo com a saúde de sua esposa o levou a arriscar outro confronto com a autoridade.

    "A falta de informações sobre sua situação de saúde é muito angustiante", disse Yang.

    Mais:

    Notório think tank americano publica estratégia de como conter China
    Caças da China e avião espião dos EUA entram em zona de identificação aérea de Taiwan, relata Taipé
    Perspectiva de Ernesto Araújo sobre China 'não reflete interesses do Brasil', diz especialista
    Tags:
    direitos, ativista, sociedade, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar