14:37 08 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    0 97
    Nos siga no

    A administração Trump desclassificou sua estratégia para garantir o domínio contínuo sobre a China focando na aceleração da ascensão da Índia como um contrapeso a Pequim e na capacidade de defender Taiwan contra um ataque.

    Nesta terça-feira (12), Robert O'Brien, assessor de Segurança Nacional dos EUA anunciou a publicação do documento intitulado "Quadro Estratégico dos Estados Unidos para o Indo-Pacífico".

    O documento aprovado em fevereiro de 2018 pelo presidente Donald Trump forneceu "orientação estratégica abrangente" para ações dos EUA nos últimos três anos e foi divulgado para mostrar o compromisso de Washington em "manter a região Indo-Pacífico livre e aberta durante muito tempo para o futuro", afirmou O’Brien em um comunicado, escreve agência Bloomberg.

    "Pequim está pressionando cada vez mais as nações do Indo-Pacífico para subordinarem sua liberdade e soberania a um 'destino comum' imaginado pelo Partido Comunista da China", ressaltou.

    "A abordagem dos EUA é diferente. Procuramos assegurar que os nossos aliados e parceiros, ou seja, todos os que compartilham os valores e as aspirações de um Indo-Pacífico livre e aberto, possam preservar e proteger a sua soberania", disse o assessor de Segurança Nacional dos EUA.

    O documento apresenta uma visão para a região na qual a Coreia do Norte já não apresenta uma ameaça, a Índia tem um papel predominante no sul da Ásia e os EUA, por sua vez, trabalham com parceiros em todo o mundo para resistir às atividades chinesas de minar a soberania através de coerção.

    O relatório parte do princípio que a China tomaria medidas "cada vez mais assertivas" para obrigar a unificação com Taiwan, advertindo que sua posição dominante em tecnologias de ponta tais como a inteligência artificial (IA) "representará desafios profundos para as sociedades livres".

    Soldados do Exército de Libertação Popular da China (ELP) (arquivo)
    © AP Photo / CHINA DAILY
    Soldados do Exército de Libertação Popular da China (ELP) (arquivo)

    Pequim, por sua vez, disse que o relatório teria "sensacionalizado a teoria da 'ameaça da China'" e mostrou que os EUA "foram contra o seu próprio compromisso na questão de Taiwan".

    "O conteúdo demonstra apenas os motivos malignos dos EUA para conter a China e sabotar a paz e as estabilidades regionais", afirmou na quarta-feira (13) Zhao Lijian, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China.

    "Temos de assegurar que a região da Ásia-Pacífico é um palco para a China e EUA reforçarem a cooperação mutuamente benéfica. Ela [a região] não deve se tornar arena onde se desenrola um jogo de soma zero", reforçou o diplomata chinês.

    Embora o momento da divulgação do documento aconteça apenas uma semana antes do presidente eleito Joe Biden tomar posse, sua divulgação levanta uma série de questões sobre o motivo pelo qual as ações do governo Trump para conter a China na Ásia contaram com apoio bipartidário.

    Os funcionários da equipe de Joe Biden têm se referido sobre a necessidade de trabalhar mais vezes com aliados e parceiros contra a China, isso também constituí uma parte fundamental da estratégia, em especial, no reforço dos laços de segurança com a Austrália, Japão e a Índia.

    Mais:

    China rotula EUA de 'império de hackear' após ser acusada de querer 'espionar' no Pacífico
    Em meio a tensões com EUA, China revela plano para contrariar restrições comerciais 'injustificadas'
    China promete 'firme contra-ataque' para enfrentar 'provocação dos EUA' ao reatarem laços com Taiwan
    Tags:
    Ásia-Pacífico, Indo-Pacífico, Taiwan, ascensão, China, Índia, Joe Biden, Donald Trump, Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar