03:33 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    214
    Nos siga no

    O acusado explica que ficou ganancioso e começou a enviar informações mais sensíveis sobre o exército indiano para a Agência de Inteligência do Paquistão para obter mais fotos de mulheres nuas.

    Satyanarayan Paliwal, 42, morador de Jaisalmer, no estado indiano de Rajastão, próximo da fronteira com o Paquistão, foi preso pela polícia local sob a acusação de espionagem para a Agência de Inteligência do Paquistão (ISI, na sigla em inglês), informou as autoridades. Paliwal disse que foi sua ganância por fotos de mulheres nuas que o fez cometer o crime.

    Após a prisão, a polícia de Rajasthan comunicou que Paliwal "confessou estar em contato com um agente da agência de inteligência do Paquistão e possuir informações militares confidenciais", afirma o jornal India Today.

    Durante o interrogatório, Paliwal afirmou que as mulheres, que trabalham para ISI, costumavam compartilhar fotos nuas em troca de informações sobre o movimento do Exército indiano nas áreas de fronteira e no terreno de treinamentos de Pokhran.

    O acusado explicou que ficou ganancioso e começou a enviar informações mais sensíveis sobre o Exército indiano ao ISI para obter mais fotos e conversas mais longas.

    Funcionários da inteligência da Índia disseram que Paliwal esteve em contato com o ISI por um longo tempo e que muitos documentos do Exército indiano foram encontrados em seu celular quando ele foi detido em Jaisalmer. 

    Mais:

    Índia quer fortalecer ajuda militar ao Afeganistão em meio à retirada de tropas dos EUA, diz mídia
    Sinal de paz? China retira 10 mil soldados da fronteira com a Índia, diz reportagem
    Índia constrói hangares na fronteira com China capazes de suportar bombas de 900 quilos (FOTO)
    China realiza exercícios militares no principal ponto de atrito com Índia em Ladakh (FOTO, VÍDEO)
    Tags:
    inteligência militar, inteligência, espionagem, espião, Índia, Paquistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar