11:37 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2202
    Nos siga no

    Exercícios navais estão sendo realizados constantemente pelos dois países no oceano Índico. Para alguns analistas, os exercícios são uma tentativa para conter movimentos dos EUA na região, para outros, a cooperação entre os dois países é meramente simbólica.

    Práticas militares navais entre a Rússia e a China vêm ganhando cada vez mais atenção de analistas por sua presença constante em áreas estratégicas do oceano Índico.

    No mês passado, o analista do Instituto Freeman Spogli de Estudos Internacionais da Universidade de Stanford (EUA), Oriana Skylar Mastro, citado pelo South China Morning Post, escreveu que a cooperação Rússia-China no oceano Índico representaria uma ameaça muito maior à continua presença dos EUA na região do que qualquer um dos dois se a fizessem individualmente. Como exemplo, o analista citou dois exercícios realizados recentemente: o primeiro efetuado em conjunto à África do Sul, e o segundo com o Irã, um dos atuais países que mais apresenta tensões com os EUA.

    "Mais importante, eles [os exercícios] revelam que potências regionais como a África do Sul e o Irã, bem como outros países, dão boas-vindas ao papel crescente da China e da Rússia", disse Mastro citado pela mídia. 

    Em novembro do ano passado, a Rússia aprovou projeto para estabelecer uma base naval em Porto Sudão, na costa do mar Vermelho, que oferece saída direta para o oceano Índico. A instalação seria usada para fazer reparos em navios e reabastecer suprimentos, além de ser de natureza defensiva e destinada a manter a paz e a estabilidade na região, segundo o South China Morning Post.

    Já a China, abriu sua primeira base naval no exterior em Djibuti, no Sudeste Africano, em 2017, e sua Marinha teria aumentado as operações na região nas últimas três décadas. Para Mastro, a cooperação política entre os dois países representava um desafio para a Índia, dada a "relação desconfortável entre Nova Deli e China". A China também fortaleceu sua presença ao expandir laços marítimos com países como Sri Lanka e Maldivas.

    Porém, para o chefe do Departamento de Relações Internacionais da Universidade Bucknell (EUA), Zhiqun Zhu, a China está se unindo à Rússia para exercícios conjuntos que visam, em sua maior parte, responder às manobras mais frequentes e assertivas de Washington na região do Indo-Pacífico, e eram mais "simbólicos do que substantivos". Para o analista, a China e Rússia podem ser parceiros políticos e diplomáticos, mas "dificilmente são aliados estratégicos" e deu como exemplo o fato de a Rússia não apoiar explicitamente a posição da China no mar do Sul da China e no estreito de Taiwan, e também acrescentou que seria difícil esperar que Moscou viesse em ajuda de Pequim se a China estivesse envolvida em um conflito militar com os EUA.

    "A Rússia, percebendo sua influência global limitada e poder econômico, e também não está colocando todos os ovos na mesma cesta. Seus laços militares calorosos com a Índia obviamente não são bem recebidos por Pequim", ressaltou o analista citado pela mídia. 

    O ideal, é que uma análise mais detalhada e assertiva sobre a questão deva ocorrer durante este ano, principalmente após o resultado das eleições norte-americanas que trouxeram uma nova ideologia para ocupar a cadeira da presidência dos EUA. Ainda não se sabe quais serão os planos políticos de Joe Biden sobre a região e somente após seus primeiros movimentos que poderemos testemunhar a posição da Rússia e da China em relação a região do oceano Índico.

    Mais:

    Guerra comercial, prorrogação do START e mais: como Biden vai lidar com China e Rússia?
    Mesmo com oposição norte-americana, UE continua ligada a Rússia e China?
    Enfatizando China e Rússia, EUA elaboram estratégia para manter superioridade no mar
    Business Insider vê chance de porta-aviões dos EUA perderem 'reinado nos mares' para Rússia e China
    Tags:
    Oceano Índico, China, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar