09:20 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1333
    Nos siga no

    Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou na quarta-feira (6) que pretende aplicar sanções às autoridades chinesas pela prisão de mais de 50 ativistas pró-democracia em Hong Kong.

    Os EUA terão um "preço alto" a pagar por suas ameaças de censurar autoridades chinesas por causa das detenções de Hong Kong, garantiu nesta quinta-feira (7) a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, citada pela agência Reuters.

    A representante do ministério, que também condenou os planos de Washington de enviar um embaixador da ONU a Taiwan, pediu às autoridades norte-americanas que pare imediatamente de interferir nos assuntos internos da China.

    Mulher segura cédula de dólar de Hong Kong diante de estátua de leão, símbolo da cidade
    © AP Photo / Kin Cheung
    Mulher segura cédula de dólar de Hong Kong diante de estátua de leão, símbolo da cidade
    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, prometeu na quarta-feira (6) impor sanções às agências estatais e às autoridades chinesas por "minar os processos democráticos de Hong Kong" depois que cerca de 53 ativistas pró-democracia foram detidos sob a acusação de subversão e da lei de segurança nacional, incluindo um norte-americano. Pompeo se referiu às detenções como o "desprezo do Partido Comunista Chinês por seu próprio povo e pelo Estado de Direito", revelou a agência.

    No final de junho, a China adotou uma legislação que proíbe atividades separatistas em Hong Kong, bem como qualquer tipo de intromissão externa. Embora os opositores da lei em Hong Kong e no exterior a vejam como uma violação da liberdade, Pequim enfatizou que seu objetivo é punir as atividades ilegais sem violar os direitos da população local.

    Mais:

    Pit-stops da Marinha norte-americana em Hong Kong prejudicaram acordo marítimo EUA-China, diz mídia
    China: passagem de destróieres dos EUA pelo estreito de Taiwan 'enviou o sinal errado'
    'Agentes não estatais' afegãos foram pagos pela China para atacar militares dos EUA, afirma mídia
    Em 2020, China se destaca com planejamento; EUA e Brasil ficam para trás, dizem analistas
    Tags:
    sanções, Mike Pompeo, EUA, China, Hong Kong
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar